RONDONOTICIAS sábado, 14 de dezembro de 2019 - Criado em 11/10/2001

Aposentadoria vergonhosa de juiz


Por Antônio Queiroz

26/11/2019 12:02:24 - Atualizado

O índio Tabajara da Tribo Cariri está indignado com a safadeza que reina em alguns Tribunal de Justiça Brasil à fora. A vergonha diz respeito ao crime que é cometido quando um juiz é aposentado depois de praticar crime, especialmente de vendas de sentenças e/ou extorsão. O caso quentinho é do juiz Gersino Donizete do Prado, que era da 7ª vara de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, está preso em São Paulo desde o início do mês acusado de extorquir dinheiro de um empresário 170 vezes, segundo informou o SP2 nesta segunda-feira (23). A revolta vem agora quando o índio Tabajara soube que mesmo preso, o dito cujo recebe aposentadoria de mais de R$ 52 mil. Pelo amor de Deusserá que não tem um político de cunhão roxo  para acabar com esse absurdo. Um trabalhador passa 35 anos para se aposentar com um salário-mínimo. Um juiz rouba, pratica as maiores aberrações e é contemplado com uma aposentadoria para o resto da vida. Onde vivemos? Será que Bolsonaro não pode botar o dedo nessa sangria? Pelo sim e pelo não, fica o protesto de todos membros da aldeia Tabajara. A denúncia denúncia de extorsão de dinheiro foi feita pela Procuradoria Geral de Justiça. Em 2015, o Tribunal de Justiça determinou a aposentadoria compulsória do juiz, alegando que as faltas cometidas por ele eram gravíssimas no que diz respeito a recebimentos de vantagens e benefícios de empresa privada. De acordo com o SP2, o empresário José Roberto Ferreira Rivielo tinha uma empresa que fabricava peças para carros. Quando o negócio ameaçou quebrar, ele entrou com um pedido de recuperação judicial para não ir a falência. O empresário disse que o juiz aceitou o pedido, mas, em troca, exigiu colaborações que começaram em R$ 1 mil e chegaram a R$ 4 mil, R$ 5 mil por semana. Até quando?

* Antônio Queiroz é jornalista




*O Rondonoticias informa que as colunas são de inteira responsabilidade de seus autores



Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.