RONDONOTICIAS domingo, 19 de maio de 2019 - Criado em 11/10/2001

GOLPE DE 64: Juíza dá 5 dias para Bolsonaro se manifestar

Diante do prazo, é improvável que uma decisão seja tomada antes do próximo domingo, 31 de março, aniversário do golpe


Zero Hora

27/03/2019 17:03:09 - Atualizado

BRASIL - A juíza federal Irani Silva da Luz, da 6ª Vara Cível em Brasília, deu cinco dias de prazo para que a União e o presidente Jair Bolsonaro se manifestem sobre ação que tenta proibir quartéis, em caráter liminar, de festejar o aniversário de 55 anos do golpe de 1964.

O processo foi movido nesta terça-feira (26) pelo advogado Carlos Alexandre Klomfahs e o pedido é idêntico ao feito, algumas horas depois, pela Defensoria Pública da União: obrigar as unidades militares a se absterem de celebrar o movimento golpista, que deu início à ditadura militar (1964-1985).

Ação popular quer barrar comemoração do golpe militar estimulada por BolsonaroAção popular quer barrar comemoração do golpe militar estimulada por Bolsonaro

Ministro da Defesa rechaça o termo "comemoração" para dia do golpe de 1964Ministro da Defesa rechaça o termo "comemoração" para dia do golpe de 1964

Houve ditadura, sim!Houve ditadura, sim!

Diante do prazo aberto pela juíza, é improvável que uma decisão seja tomada antes do próximo domingo, 31 de março, aniversário do golpe que depôs o então presidente João Goulart e implantou o governo autoritário.

Em despacho nesta terça, a magistrada determinou a intimação dos requeridos para que se pronunciem em cinco dias, a partir da notificação. Segundo ela, é "imprescindível a oitiva preliminar dos réus, em homenagem aos princípios do contraditório e da ampla defesa".

A juíza ainda não despachou no processo aberto pela Defensoria Pública da União. Nesta quarta, integrantes do órgão vão pedir a ela que decida com mais celeridade, antes do domingo, para que não haja "prejuízo ao objeto da ação".

O defensor público Alexandre Mendes argumenta que a União já está ciente da ação, tanto que apresentou uma petição na terça com pedido para se manifestar. Consultada pela reportagem, a Advocacia-Geral da União (AGU) não se pronunciou sobre o caso.

As ações na Justiça foram apresentadas após o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, afirmar na segunda (25) que o presidente, capitão reformado do Exército, determinou ao Ministério da Defesa que seja comemorado o 31 de março nos quartéis.


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.