23/04/2017 00:37:50 - Atualizado em 24/04/2017 08:23:16

A QUEDA DOS DEUSES: Do glamour e do "furtum real" - Por Arimar Souza de Sá

A QUEDA DOS DEUSES: DO GLAMOUR E DO “FURTUM REAL” - Por Arimar Souza de Sá

Na fila dos horrores provocados pela “desgovernança dos costumes” no país do Faz de Conta, (leia-se Brasil), estão, entre outros, a pedofilia, o assédio sexual, o estupro, o rufianismo e a corrupção.

Embora tolo e sem orientação jurídica, militando sobre sua própria torpeza, sem nenhuma defesa, denunciando-se, o ator global José Mayer debitou a sua atitude ao processo somático colhido em sua geração machista.

Ao confessar o crime de assédio, publicamente, despiu a sua própria honra e, provavelmente, agora, vai somatizar prejuízos como perda de emprego, sujeição à ação indenizatória e, sobretudo, se tornará símbolo do horror urbano contra as mulheres que o idolatravam.

Com sua atitude impensada e referendada pela sua própria impaciência, deverá, doravante, amargar uma larga quarentena na vida ficcional e real, onde suas atuações e seus personagens serão bombardeados pela mídia e seus futuros trabalhos prejudicados pela sua própria onisciência. Dir-se-ia: o primeiro iconoclasta brasileiro de sua própria imagem.

Todos sabem, a exposição da imagem atrai aplausos e conquistas iras. Foi assim, com Hitler, Mussolini, Napoleão. Todos foram aplaudidos e depois expurgados do convívio humano.

Mussolini foi enforcado em praça pública. Hitler suicidou-se no Banker; Napoleão apodreceu na ilha de Elba, José Mayer, provavelmente, amargará os dias últimos no asilo dos artistas do Rio de Janeiro e no delírio contará aos outros velhinhos, histórias fantásticas de sua atuação como “garanhão” dentro e fora dos intramuros da maior emissora televisiva do país.

Esse crime revoltante, sinceramente, está espraiado em toda a Nação. É mais ou menos como a corrupção.

As praias nordestinas, onde a pobreza e esplende e cala fundo, são antros dessa “mercadização” dos costumes. Meninas ainda sem peito e tempo, são vendidas como mercadorias aos turistas estrangeiros.

Nas baladas, amiúde, a orgia brutal contra as mulheres, “come solta” e as transformam em pastos da guloseima desenfreada dos homens que foram à caça.

É verdade que ninguém se permite imaginar essa degradação com suas próprias filhas. Nem Mayer, creio!

Acostumados, muitos homens, com a facilidade das ninfas noturnas, “não estão nem aí”, e passam a qualificar todas as mulheres no mesmo nível e balaio. Mayer deve ter mordido um “tiquinho” dessa isca ao passar a mão na figurinista.

Como a arte imita a vida, ou vice-versa, o ator transcendeu suas conquistas nas novelas e as trouxe para o palco da vida real, mas quebrou a cara.

Como Deus da sua própria mitologia, mister que lhe arranquem agora todas as suas vísceras, carisma, glamour, popularidade e as enterrem no cemitério da indiferença, repaginando-o como Deus dos infernos televisivos.

Mas como disse no preâmbulo, outros males também contaminaram o imo de nossa Nação como é o caso da corrupção que tem como protagonista outro homem público, nosso ex-querido Lula, cujas vísceras, carisma, glamour, popularidade, na proporção das de Mayer, vêm sendo queimadas em praça publica, repaginando-o também depois de suas traquinagens, como o “Deus do Furtum” real.

Salve as mulheres corajosas, Arriba Brasil, menos dois no galinheiro.

fonte: Rondonoticias

comentar

comments powered by Disqus

Ultimas Notícias