RONDONOTICIAS sábado, 30 de maio de 2020 - Criado em 11/10/2001

Porto Velho, 105 anos de instalação; Conheça a história do município


com inf. roagora

Publicada em: 24/01/2020 10:14:33 - Atualizado

PORTO VELHO - RO - O Município de Porto Velho comemora nesta sexta-feira (24), 105 anos de instalação, que ocorreu com a posse de seu primeiro prefeito, Major Guapindaia, em 24 de janeiro de 1915.

Criado à margem direita do Rio Madeira, importante rio de navegação e produção de energia, o município possui riquezas, encantos e atrativos para os moradores. É uma metrópole ainda jovem, mas com potencial para o desenvolvimento. Entre as belezas, o pôr do sol no Rio Madeira, Praça Três Caixas D’Água, Espaço Alternativo, Igreja de Santo Antônio e vários outros.

Antes integrado ao município de Humaitá, no Amazonas, o Município de Porto Velho foi criado pela Lei 756, aprovada em 2 de outubro de 1914 pela Assembleia Legislativa amazonense. Somente em 1943, junto com o município de Guajará-Mirim, passou a constituir o Território Federal do Guaporé, que depois, em 1956, foi denominado Rondônia, sendo elevado a Estado em 1981.

Fotos:Marcos Figueira

O nome de Porto Velho, segundo o livro Enganos da Nossa História, de Antônio Cândido da Silva, na década de 60, um jornalista do Jornal Alto Madeira, preparava uma matéria de aniversário da cidade quando surgiu a curiosidade sobre o nome. Ele então, foi em alguns bairros tradicionais como Mocambo, Triângulo e Caiari, para entrevistar alguns moradores antigos.

A versão contada naquela época era sobre o velho lenhador chamado Pimentel, que cortava lenha para navios a vapores da época do Ciclo da Borracha, que atracavam no Porto do Velho Pimentel. “Só que não há comprovação de documentos primários e secundários sobre a existência dele, então ele virou uma lenda viva. Acho bacana ter a lenda, o mito e a história oficial”, disse o historiador Aleks Palitot.
Segundo Palitot, na época do Segundo Reinado de Dom Predo II, na guerra do Paraguai em 1865, essa região era fronteira do Mato Grosso e Amazonas. Onde está localizado Porto Velho, o presidente do Paraguai, invadiu Mato Grosso, na região de Corumbá.

Como a capital do Mato Grosso tinha uma conexão com o Rio Guaporé, consequentemente até Guajará-Mirim pelo Rio Mamoré e Rio Madeira, o Governo central entendeu que uma forma de não deixar a região do Mato Grosso isolada, era garantir a livre navegação e o controle sobre aquela região do Rio Madeira, Mamoré e Guaporé, segundo o historiador.

Dom Pedro II então, mandou construir uma guarnição militar próximo ao pátio ferroviário da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. “Naturalmente, quando os militares se colocaram ali, chegando de barco, criaram um pequeno porto, tanto que em cartas de Marechal Rondon, e em relatórios de Oswaldo Cruz, eles sempre se referem ao local como

Com o fim da guerra de 1870 entre Brasil e Paraguai, o Brasil foi vitorioso e em 1872 iniciou-se a construção da Madeira Mamoré, quando a empresa inglesa Public Works se instalou em Santo Antônio, no Mato Grosso, onde iniciou a EFMM. “Eles construíram um porto novo e moderno para receber os equipamentos da EFMM e naturalmente as pessoas se referiam chamando de Porto Velho e Porto Novo”, contou o historiador.

Inglês dominava

Conforme o memorialista Anísio Gorayeb, com a criação do município de Porto Velho, surge também o primeiro grande impasse. Com domínio americano na região, visto que o idioma e toda a documentação da EFMM eram em inglês, - assim como também o primeiro jornal impresso na cidade era nesse idioma -, o “The Porto Velho Times”, tornava-se necessário uma divisão territorial para não haver conflito de poderes.

Foi criada então a Rua Divisória, que era onde é atualmente a Avenida Presidente Dutra. Nela havia uma cerca dividindo a cidade em duas partes. Uma parte era domínio americano, visto que os americanos eram detentores da concessão da ferrovia e outra parte era domínio do município. O lado leste da Rua Divisória era administrado pelo superintendente do município e o lado oeste pelos diretores da EFMM.

Números


Atualmente, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, (IBGE), a capital rondoniense é considerada a terceira mais populosa da Região Norte, com população estimada de 529.544. 

São mais de 34 mil km² em área territorial, com 75 bairros divididos entre as zonas Sul, Leste, Norte e Oeste.

A primeira eleição no município de Porto Velho só aconteceu em dezembro de 1916, quando foi eleito o médico Joaquim Augusto Tanajura. Este, por sua vez, assumiu o município no dia 1º de janeiro de 1917, para uma gestão no período de 1917/1919. Joaquim Tanajura foi eleito novamente em 1922, para um segundo mandato no período de 1923/1925.

Foi no segundo mandato do Superintendente Joaquim Tanajura que o município adquiriu o imóvel na Rua José Bonifácio, na ladeira Comendador Centeno para ser a nova sede do executivo municipal. Anteriormente a sede do município era em um antigo casarão de madeira próximo da atual sede central dos Correios e Telégrafos.

Complexo histórico

A histórica de Porto Velho é recheada de glórias e fracassos. Parte ainda tenta sobreviver no complexo da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM), Terminal Ferroviário, o Cemitério da Candelária, locomotivas, Três Caixas D’Água. Outros foram surgindo com o passar o tempo como o Mercado Cultural, Espaço Alternativo, Mercado do Km 1, Memorial Jorge Teixeira, Teatro Estadual Palácio das Artes e Casa de Cultura Ivan Marrocos.

A miscigenação dos moradores, que ocuparam a Porto Velho vindo de vários lugares do país, também é percebida na cultura, com pluralismo através do seu calendário de festas, onde se destacam Flor do Maracujá - realizado há quase 40 anos e que reúne artistas locais com concursos de quadrilhas e bois-bumbás; festivais de praia; festejos carnavalescos como a tradicional Banda do Vai Quem Quer.

As principais atividades da cidade são as indústrias de alimentos, hidrelétricas, frigoríficos, grandes supermercados atacadistas, fábrica de móveis, postos de gasolinas e refinarias. A produção agrícola, que inclui macaxeira, açaí, banana, entre outros; pecuária e piscicultura também são fortes na capital rondoniense.


MATÉRIAS - DENÚNCIAS - VÍDEOS - FOTOS

Fale com a redação do Rondonotícias redacao@rondonoticias.com.br