RONDONOTICIAS terça-feira, 2 de março de 2021 - Criado em 11/10/2001

Pedidos de cidadania europeia dobram na pandemia, diz advogada

Instabilidade política e desemprego estão entre os motivos das 40 solicitações diárias


R7

Publicada em: 24/12/2020 09:30:07 - Atualizado


BRASIL - A vida na Europa parece ter se tornado um sonho ainda mais cobiçado desde que a pandemia do novo coronavírus chegou ao país, tirando vidas, provocando crises na economia, na política e até mesmo nas relações familiares. O aumento de 100% nas solicitações de aberturas de processos por cidadania europeia em um escritório de advocacia em Santos, no litoral de São Paulo, é um indicativo desse anseio por um novo caminho.

Antes do agravamento dos casos de covid-19 no Brasil, Aline Fortuna, proprietária do negócio, atendia, em média, a 20 chamados diários nas redes sociais ou em aplicativos de mensagem por celular com perguntas sobre requisitos para o início dos trâmites. Porém, de abril em diante, os chamados triplicaram. "Hoje, tenho 60 mensagens", contou a advogada.

Nem todas as consultas se transformam em processos, mas as pastas abertas com os pedidos oficializados de cidadania portuguesa, italiana, espanhola e alemã (especialidades do escritório) mais que dobraram. "Se tinha a entrada de pedidos era de 18 por mês, hoje tenho 38", completou a advogada.

Aline Fortuna acredita que o temor pela instabilidade política vivida no país em razão da doença, somado ao medo do desemprego, da queda na renda familiar e o sentimento de incerteza sobre o futuro ampliam essa vontade deixar o Brasil. Algumas pessoas almejam mais qualidade de vida, conforto e tranquilidade.

"As pessoas que têm condições de obter a cidadania o fazem. Já existia antes. Mas, se intensificou na quarentena. Tem pessoas que querem ir embora para tentar uma nova vida. Na Europa, o poder de compra é maior. Há segurança, qualidade de vida. Lá, a pessoa não precisa pagar escola para os filhos", explicou Aline.

Porém, outras aspirações motivam a busca pelo passaporte europeu, especialmente em pessoas mais velhas, como resgatar a história da própria família ou deixar uma herança para as novas gerações. Foi o que motivou o servidor público aposentado Cláudio Augusto, de 62 anos. "Foi uma herança e consegui deixar parte dela para os filhos e netos."

Filho de um português de Terrenho, um vilarejo em uma freguesia (menor divisão administrativa de Portugal) pertencente ao concelho (distrito) de Trancoso, na Região do Centro, Cláudio espera que os benefícios da cidadania europeia possam impulsionar a evolução dos seus descendentes em suas carreiras profissionais e projetos pessoais.


MATÉRIAS - DENÚNCIAS - VÍDEOS - FOTOS

Fale com a redação do Rondonotícias redacao@rondonoticias.com.br