RONDONOTICIAS sexta-feira, 16 de novembro de 2018 - Criado em 11/10/2001

Novo laudo revela que jovem não se arrepende de matar ex

Vânia passou por nova avaliação psiquiátrica, no fim de agosto deste ano. Segundo MP, laudo aponta que Vânia continua apresentando comportamento sociopata.


G1

13/09/2018 10:10:09 - Atualizado


O Ministério Público de Rondônia (MP-RO) recomendou ao Judiciário que Vânia Basílio Rocha continue presa no regime fechado por ter matado o ex-namorado a facadas no ato sexual, em Vilhena (RO). A jovem, de 23 anos, fez uma nova avaliação psiquiátrica no fim de agosto, e, segundo a promotoria, o novo laudo revela que a acusada “não evoluiu no entendimento de sua situação, nem demonstrou arrependimento" pelo assassinato.

A jovem foi condenada a 8 anos e 4 meses de prisão por matar a facadas o ex-namorado, Marcos Catanio Porto, no ato sexual, em dezembro de 2015. Após 2 anos e 6 meses presa, ela teria direito a progredir para o regime semiaberto. Contudo, a Justiça pediu um novo exame psiquiátrico da jovem, considerada sociopata no primeiro exame, realizado em 2016.

Com o resultado do exame psiquiátrico de Vânia, o promotor Elício de Almeida e Silva considerou que Vânia não deve progredir de regime.

“Em sua parte conclusiva, o médico perito indicou que a apenada não apresentou mudanças em sua condição psíquica em relação à primeira avaliação que lhe considerou semi-imputável. Isto é, o seu grau de consciência em relação ao fato criminoso não demonstrou qualquer melhora ou modificação positiva, que signifique condição subjetiva favorável à progressão de regime”, ressaltou o promotor.

Na manifestação do MP, Elício também destacou um trecho da conclusão do médico: “No tocante a saúde mental atual de Vânia Basílio Rocha, esta mantém o mesmo modelo de funcionamento observado durante a primeira avaliação pericial, que é um funcionamento decorrente do transtorno de personalidade antissocial. A questão sobre saúde mental e periculosidade de Vânia Basílio Rocha mantém-se igual a da primeira avaliação pericial”.

Dessa forma, o MP opinou pelo indeferimento da progressão de Vânia, pois ao contrário, ela pode vir a cometer novo crime de morte ou outro qualquer de violência à pessoa.A manifestação do MP foi encaminhada para a 2ª Vara Criminal na segunda-feira (10), que deve decidir nos próximos dias se Vânia irá ou não progredir para o regime semiaberto.



Regime semiaberto

De acordo com o presídio feminino, caso receba a progressão, a acusada será transferida para a ala do semiaberto, onde aguardará pela tornozeleira eletrônica. Em seguida, ela terá 10 dias para conseguir emprego e apresentar a comprovação no presídio.

Nos primeiros 30 dias com a tornozeleira eletrônica, Vânia deverá continuar dormindo no presídio. Depois desse período, ela não precisa mais voltar para a unidade.

Contudo, ela precisará cumprir regras. Além de, necessariamente, estar trabalhando, ela deverá ficar em casa durante a noite, das 19h às 6h, entre segunda e sexta-feira.

Já nos finais de semana, Vânia deverá permanecer recolhida integralmente em casa, das 18h do sábado até 6h de segunda-feira ou do primeiro dia útil seguinte.

Crime

Vania matou o ex a facadas durante o ato sexual, na casa dele, em dezembro de 2015. Na época, ela confessou o crime e disse: "queria matar alguém". Antes do assassinato, a jovem chegou a escrever um post no Facebook, afirmando não ter sido uma má namorada.

Um laudo feito meses depois da prisão apontou que Vania é sociopata. No júri em que foi condenada, em setembro de 2016, a acusada fez cara de fúria ao ouvir a sentença. Em setembro de 2017, a jovem foi agredida por uma detenta e chegou a sair para registrar boletim de ocorrência.



Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.