RONDONOTICIAS terça-feira, 26 de março de 2019 - Criado em 11/10/2001

Foragido que matou agente da PF no interior é capturado na Bolívia


Folha do sul online

14/03/2019 12:06:54 - Atualizado


COLORADO DO OESTE/ PIMENTEIRAS DO OESTE - Em 03 de dezembro de 1999, durante uma investigação contra o tráfico internacional de drogas na região de Pimenteiras do Oeste, uma equipe da Polícia Federal foi emboscada por uma quadrilha liderada pelo traficante Gilmar José Baseggio, vulgo "Tchoco".
 
Na emboscada foi assassinado o agente de Polícia Federal Roberto Simões de Mentzinger, bem como foram baleados outros dois policiais federais. À época dos fatos, em virtude da reconhecida conduta ilibada, moral inatacável e dedicação ao trabalho policial federal, o agente Roberto Simões de Mentzinger (APF SIMÕES) foi homenageado post mortem com o título de Herói da Polícia Federal, homenagem rendida aos policiais federais que morreram em confronto direto no exercício da função policial.
 
O traficante Gilmar Baseggio chegou a ser preso em 2002 e condenado a 37 anos de prisão, porém fugiu do Presídio Urso Branco, em Porto Velho,  logo depois.

O APF SIMÕES foi morto em uma emboscada às margens do rio Guaporé, na cidade ribeirinha de Pimenteiras, na fronteira com a Bolívia. Ele e outros dois policiais investigavam uma quadrilha de traficantes que mandaria cocaína da Bolívia para São Paulo.

Os policiais teriam sido atraídos por um traficante até uma chácara na beira do rio Guaporé, onde foram surpreendidos por cerca de outros dez comparsas.

Após ferido o APF Simões caiu no rio e seu corpo foi encontrado no meio da floresta, dois dias depois.

Na noite de ontem, 13/03/2019, após 30 dias ininterruptos de vigilância, foi preso em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, o foragido Gilmar José Baseggio, um dos responsáveis pela morte do APF SIMÕES em Pimenteiras/RO.

Quem é o assassino 


Em 2016, o FOLHA DO SUL ON LINE publicou um perfil de Baseggio, ex-morador da cidade de Colorado do Oeste e que figurava na lista das dez pessoas mais procuradas pela PF no Brasil.


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.