RONDONOTICIAS segunda-feira, 27 de janeiro de 2020 - Criado em 11/10/2001

Irã convoca embaixador britânico para explicar presença em ato contra aiatolá

Rob Macaire foi detido em manifestação contra o aiatolá Ali Khamenei no sábado; ele diz que estava em ato de vigília por mortos em avião derrubado pelo Irã


AFP e Reuters

12/01/2020 11:15:42 - Atualizado

O Ministério das Relações Exteriores do Irã informou neste domingo, 12, que convocou o embaixador britânico no país, Rob Macaire, para explicar sua presença em um protesto contra o governo iraniano no sábado em Teerã. O ministério chama o protesto de "ilegal" e fala em um "comportamento não convencional" de Macaire.

Os protestos registrados no fim de semana no Irã acontecem após o país admitir ter derrubado um avião ucraniano na quarta, 8, causando a morte das 176 pessoas que estavam a bordo. O Irã alega que o avião foi derrubado por engano. O país vive uma escalada de tensão desde a morte do general Qassim Suleimani em operação dos Estados Unidos.

A mídia iraniana informou que Macaire estava incitando os protestos. Neste domingo, o embaixador negou ter participado de qualquer manifestação política no Irã, mas disse ter comparecido a um tributo às vítimas da queda do Boeing 737.

"Fui a um ato apresentado como uma vigília em memória das vítimas da tragédia do avião da Ukraine International Airlines, derrubado próximo ao Teerã nesta quarta. É normal querer prestar minhas homenagens, já que algumas vítimas eram britânicas", afirmou.

De acordo com Macaire, ele abandonou o local cerca de cinco minutos depois, "quando algumas pessoas começaram a protestar contra as autoridades". Cerca de 200 pessoas fizeram uma manifestação neste domingo em frente à embaixada britânica em Teerã queimando uma bandeira do Reino Unido.

No sábado, o chanceler britânico, Dominic Raab, chamou a detenção temporária de Macaire uma "violação flagrante da legislação internacional". O chefe de diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, condenou a prisão de Macaire e se disse preocupado com a situação. "É necessário o máximo de respeito à Convenção de Viena", escreveu Borrell no Twitter.

Após a morte de Suleimani, que era visto como um ícone nacional, os iranianos reuniram-se em apoio aos seus líderes. Os protestos deste sábado sinalizam uma mudança de comportamento após a mea culpa iraniana a respeito do avião ucraniano.

O Irã negou por vários dias que um míssil teria derrubado a aeronave. Mas a pressão internacional aumentou quando Estados Unidos e o Canadá, citando informações de inteligência, disseram acreditar na hipótese. 


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.