RONDONOTICIAS quinta-feira, 22 de outubro de 2020 - Criado em 11/10/2001

China pretende dobrar arsenal nuclear em 10 anos, diz relatório do Pentágono


CNN

Publicada em: 02/09/2020 18:25:19 - Atualizado

A China tem planos de ao menos dobrar sua quantidade de ogivas nucleares em seu arsenal na próxima década e seus militares já igualaram ou ultrapassaram os Estados Unidos em uma série de áreas-chave, de acordo com um novo relatório do Pentágono divulgado nesta terça-feira (1º).

A análise sugere que Pequim fez grandes avanços em áreas como construção de navios, desenvolvimento de mísseis balísticos e de cruzeiro, bem como sistemas integrados de defesa aérea.

O relatório detalhando as capacidades militares da China surge em meio a tensões crescentes entre Washington e Pequim sobre uma série de questões, incluindo atividades militares chinesas no Mar da China Meridional e o apoio dos EUA a Taiwan. Também foi publicado na corrida para a eleição de 2020, quando o presidente Donald Trump está tentando fazer de sua postura cada vez mais agressiva em relação a Pequim uma questão-chave de campanha.

"Ao longo da próxima década, o estoque de ogivas nucleares da China - atualmente estimado em 200 anos - deve pelo menos dobrar de tamanho à medida que o país expande e moderniza suas forças nucleares", diz o relatório, acrescentando que o número de ogivas no Os mísseis balísticos intercontinentais chineses baseados em terra que são "capazes de ameaçar os Estados Unidos devem crescer para cerca de 200 nos próximos cinco anos".

"As forças nucleares da China irão evoluir significativamente na próxima década, à medida que se moderniza, diversifica e aumenta o número de suas plataformas de entrega nuclear terrestre, marítima e aérea", disse o relatório, acrescentando que "a China está buscando um ' tríade nuclear "com o desenvolvimento de um míssil balístico lançado pelo ar com capacidade nuclear e aprimoramento de suas capacidades nucleares terrestres e marítimas."

Resistência em negociações

Há tempos o governo Trump tenta incluir a China em suas negociações de controle de armas nucleares com a Rússia, algo que Pequim tem resistido. E embora o número de ogivas nucleares chinesas esteja crescendo rapidamente, seu estoque geral ainda é diminuído pelo da Rússia e dos Estados Unidos.

O novo tratado START limita a Rússia e os EUA a cerca de 1.550 ogivas nucleares em mísseis balísticos intercontinentais implantados, mísseis balísticos lançados por submarino e bombardeiros pesados ??equipados para armamentos nucleares.

O relatório também diz que "a China já alcançou paridade com - ou mesmo ultrapassou - os Estados Unidos em várias áreas de modernização militar", incluindo construção naval, mísseis balísticos convencionais baseados em terra e de cruzeiro e sistemas integrados de defesa aérea.

Ele também observa que a China possui a "maior marinha do mundo", com cerca de 350 navios e submarinos ", incluindo mais de 130 grandes combatentes de superfície. Em comparação, a força de batalha da Marinha dos EUA era de aproximadamente 293 navios no início de 2020. "

A China "tem mais de 1.250 mísseis balísticos lançados no solo (GLBMs) ??e mísseis de cruzeiro lançados no solo (GLCMs) com alcances entre 500 e 5.500 quilômetros", disse o relatório, acrescentando que em 2019 Pequim "lançou mais mísseis balísticos para teste e treinamento do que o resto do mundo combinado. "

A posse de um grande arsenal de mísseis de alcance intermediário por Pequim foi vista por alguns como um fator motivador para levar a administração Trump a sair do tratado INF de 1987 com a Rússia, que Washington e todos os seus aliados da OTAN disseram que Moscou estava violando ao implantar seu próprio alcance intermediário mísseis.

Embora os EUA tenham começado a desenvolver seus próprios mísseis de alcance intermediário, a China ainda desfruta de uma vantagem significativa nessa área.

Gastos militares chineses superam nações da região, mas muito atrás dos EUA

O relatório observa que a China continua a aumentar seus gastos militares a uma taxa que excede o crescimento econômico chinês, permitindo que os gastos com defesa chineses superem os de outros países da região.

O orçamento oficial de defesa da China foi de US $ 174 bilhões em 2019, em comparação com o orçamento dos EUA de cerca de US $ 685 bilhões. No entanto, o relatório do Pentágono diz que o orçamento militar publicado de Pequim "omite várias categorias importantes de despesas", incluindo pesquisa e desenvolvimento e aquisição de armas estrangeiras, dizendo que "os gastos militares reais da China podem ser mais de US $ 200 bilhões, muito mais do que o declarado oficialmente.

No Japão, o orçamento de defesa em 2019 foi de cerca de US$ 54 bilhões. O da Coréia do Sul foi de cerca de US$ 40 bilhões e o de Taiwan foi de US$ 10,9 bilhões.

O relatório afirma que a China ainda tem alguns caminhos a percorrer no que diz respeito aos seus investimentos militares e campanha de modernização, dizendo que algumas unidades de infantaria chinesas ainda estavam usando equipamento militar "obsoleto" mais antigo que data da época em que o país comunista era governado pelo presidente Mao Tsé Tung.

De particular preocupação para os planejadores militares dos EUA são os esforços da China para modernizar suas forças a fim de permitir que invadam Taiwan caso a ilha democrática autônoma busque a independência formal.

Como relatórios anteriores do Departamento de Defesa sobre os militares da China, a iteração deste ano disse que a China fez avanços na superação dos desafios de montar uma invasão de Taiwan, ao mesmo tempo em que observou que Taipei também está procurando melhorar sua postura militar para poder repelir qualquer ataque.

Os militares chineses recentemente lançaram caças no estreito de Taiwan, uma demonstração de força sincronizada com a visita do secretário de Saúde e Serviços Humanos, Alex Azar, a Taiwan, o mais alto funcionário dos EUA a visitar a ilha em décadas.

No domingo, os EUA navegaram o navio de guerra USS Halsey pelo estreito de Taiwan, o segundo trânsito em agosto. E na segunda-feira, o alto funcionário do Bureau de Assuntos do Leste Asiático e do Pacífico do Departamento de Estado anunciou que os EUA e Taiwan "estão estabelecendo um novo diálogo econômico bilateral" e delineou as garantias de segurança recentemente desclassificadas entre Washington e Taipei.

O relatório do Pentágono também disse que a China "provavelmente considerou locais" para instalações de logística militar em Mianmar, Tailândia, Cingapura, Indonésia, Paquistão, Sri Lanka, Emirados Árabes Unidos, Quênia, Seychelles, Tanzânia, Angola e Tajiquistão, acrescentando que China e O Camboja negou publicamente ter assinado um acordo para fornecer à marinha chinesa acesso à Base Naval de Rema do Camboja.


MATÉRIAS - DENÚNCIAS - VÍDEOS - FOTOS

Fale com a redação do Rondonotícias redacao@rondonoticias.com.br