RONDONOTICIAS domingo, 8 de dezembro de 2019 - Criado em 11/10/2001

Ministro e Ibama deflagram Operação contra extração ilegal de madeira em RO

Ação envolve cerca de 200 homens, além de 30 agentes do Ibama, 60 PM´s e 110 homens do Exército


Rondonoticias

17/07/2019 13:10:10 - Atualizado

ESPIGÃO DO OESTE RO - Com direito a presença de ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a anúncio de madeireiro, o Ibama deflagrou na manhã desta quarta-feira (17) Operação Honoris, em Espigão do Oeste, a 540 km de Porto Velho, para combater a extração ilegal de madeira em território indígena das tribos Zoró e Cinta-Larga.

Ao todo, foram enviados cerca de 200 homens a Espigão d’Oeste (RO). Além de 30 agentes do Ibama, a operação, batizada de Honoris, contará com 60 PMs de Rondônia e 110 homens do Exército. Eles ficarão acampados na cidade por tempo indeterminado.

Trata-se uma demonstração de força em resposta à queima de um caminhão-tanque a serviço do Ibama, no último dia 4, em Boa Vista do Pacarana, distrito de Espigão. O veículo estava sendo usado para abastecer três helicópteros que apoiavam uma operação contra o rumo de madeira.

No município, o ministro Salles, acompanhado do governador Marcos Rocha e demais autoridades, se reuniu com madeireiros e políticos de Rondônia. Depois, conheceu uma área destruída pelo garimpo ilegal de diamante na Reserva Roosevelt (etnia cinta-larga), na mesma região, e uma área de extração ilegal de madeira, também em terra indígena.

Legalização

Para o representante dos indígenas na região, Marcelo Cinta Larga, a melhor forma de evitar os conflitos e minimizar os prejuízos causados pela extração ilegal de madeira é legalizar a prática.

"Esperamos que a vinda do ministro e demais autoridades traga soluções a essa situação que vem ocorrendo há vários anos. Sabemos que espigão é um município pequeno e que só sobrevive pelos esforços dos madeireiros e mineradores. Com essa legalização, esperamos também que os trabalhadores parem de perder os instrumentos de trabalho", ressaltou durante a visita do ministro.


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.