RONDONOTICIAS segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020 - Criado em 11/10/2001

Agepen que atacou médico com soda cáustica é condenado a 5 anos de prisão

Através de vídeo chamada no WhatsApp, durante o julgamento, o médico Gladson Siqueira, relatou que não sabia que a mulher era casada


Rondonoticias

15/08/2019 08:13:28 - Atualizado

PORTO VELHO RO - O agente penitenciário Oziel Araújo Fernandes, 41 anos (à esquerda da foto), que estava preso preventivamente em uma Unidade Prisional da capital acusado de atacar o médico infectologista, Gladson Siqueira (à direita da foto) com soda cáustica foi condenado na noite desta quarta-feira (14), a 5 anos de prisão em regime semi-aberto. O julgamento teve início por volta das 9 horas na 1ª Vara do Tribunal do Júri em Porto Velho.

O crime aconteceu no dia 6 de março deste ano, quando o médico chegava para trabalhar no Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron) na capital. A Polícia Civil finalizou o inquérito em 10 dias e concluiu que o acusado praticou tentativa de homicídio de forma premeditada (sob o domínio de violenta emoção) qualificado (pelo meio cruel). 

Três representantes do Ministério Público de Rondônia (MP-RO) acompanharam o júri popular. O corpo do júri foi formado por quatro homens e três mulheres.

"Não sabia que era casa"

Através de vídeo chamada no WhatsApp, durante o julgamento, o médico médico Gladson Siqueira, ferido no rosto por causa do ataque, contou detalhes da relação que manteve com a mulher do agente penitenciário e relatou ao Tribunal do Júri que "não sabia do casamento" da mulher com o agente. 

"Ela dizia que estava em processo de separação. Ela tirava a aliança nos encontros. Hoje eu sei que ela era casada. Depois de saber que ela era casada, não nos encontramos mais", afirmou.

O médico também disse ao júri que começou a se envolver com a mulher do agente após um falecimento. "Tudo começou naturalmente. A aproximação se deu a partir do falecimento da mãe da mulher. Foi quando eu dei o primeiro abraço nela", explicou Gladson.

O ataque, segundo relata o médico, aconteceu seis meses após ele terminar a relação extraconjugal e do agente penitenciário descobrir o caso que ele mantinha com a mulher.

Durante o julgamento, não foi permitido que a imprensa fizesse imagens do plenário do Tribunal do Júri porque o processo tramita em segredo de justiça. A defesa de Oziel ainda não se posicionou sobre a decisão.

LEIA MAIS: Agente penitenciário acusado de jogar soda cáustica em médico vai a juri hoje

Justiça decreta prisão do agente penitenciário que atacou médico com ácido

Justiça decreta sigilo no caso do médico atacado com soda cáustica

Com informações do G1


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.