RONDONOTICIAS terça-feira, 18 de dezembro de 2018 - Criado em 11/10/2001

Justiça condena assassino de professor a 13 anos e dois meses de prisão


Rondonoticias e TJRO

11/10/2018 15:33:48 - Atualizado

Em julgamento no 1º Tribunal do Júri da Comarca de Porto Velho, que teve início nesta quinta-feira (11) às 8h e terminou às 14h05, o réu Ériton Fábio Coelho Macedo foi condenado a 13 anos e 2 meses de reclusão em regime fechado, e 20 dias de multa por esquartejar, degolar e furar os olhos do professor universitário Elessandro Milan.

O assassinato, de acordo com o interrogatório, aconteceu na madrugada do dia 19 de março de 2016, no Bairro Teixeirão, Zona Leste de Porto Velho, dentro da residência da vítima.

Segundo a sentença de pronúncia, o réu cometeu o crime mediante tortura. Além de esfaquear a vítima, perfurou os olhos, decapitou, esquartejou e ocultou o corpo do professor.

Em interrogatório, Ériton confessou ser o autor do crime e disse que ocorreu porque ele teria sido dopado, e ao acordar, ficou com raiva da vítima, motivo pelo qual o teria cometido.

Conforme o delegado Sandro Moura, o envolvimento do suspeito no crime foi comprovado por meio das provas papiloscópicas: das palmares, plantares e digitais coletadas pelo Instituto de Identificação.

O crime

O corpo de Elessandro Milan foi encontrado no dia do crime por uma vizinha, que encontrou rastros de sangue dele na varanda da casa e acionou a Polícia Militar.

Pelas marcas de sangue, a PM deduziu que o professor foi assassinado na sala e teve o corpo arrastado para a cozinha, onde houve o esquartejamento.

O delegado do caso descarta a possibilidade de Milan ter ser sido vítima de latrocínio (roubo, seguido de morte), já que nenhum objeto foi levado.

No final da manhã de hoje, o julgamento entrou em fase dos debates: promotoria de Justiça e defesa do acusado e segundo o TJ, se processou rapidamente em razão de haver apenas uma testemunha, a qual foi ouvida logo no início da sessão de julgamento.

Em seguida foi a vez do réu, que confessou o crime, porém não relatou os detalhes narrados na sentença de pronúncia. O julgamento prossegue no decorrer do dia.

O processo transcorreu sob nº 0007696-94.2016.8.22.050.


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.