RONDONOTICIAS sexta-feira, 19 de abril de 2019 - Criado em 11/10/2001

Desembargador manda soltar Michel Temer e Moreira Franco

Emedebista foi preso preventivamente na última quinta e estava detido na Superintendência da Polícia Federal no Rio


Estadão Conteúdo

25/03/2019 14:05:08 - Atualizado

BRASIL - O desembargador Antonio Ivan Athié, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, determinou nesta segunda-feira, 25, a soltura do ex-presidente Michel Temer, segundo informou o advogado Eduardo Canelós a aliados do emedebista.

Athié é relator do habeas corpus dos advogados de Temer, que contestam o decreto de prisão do juiz Marcelo Bretas,  da 7ª Vara Federal do Rio, responsável pela Operação Lava Jato. A decisão também inclui a liberdade do ex-ministro Moreira Franco.

Athié havia pedido que o caso fosse incluído na pauta de julgamento do tribunal na próxima quarta-feira, para que a decisão sobre o habeas corpus fosse colegiada. Ao conceder a liberdade, porém, ele se antecipou.

Temer foi preso na última quinta-feira (22), em investigação que mira supostas propinas de R$ 1 milhão da Engevix no âmbito da Operação Descontaminação, desdobramento da Lava Jato. Também foram detidos preventivamente o ex-ministro Moreira Franco (MDB), e outros 8 sob suspeita de intermediar as vantagens indevidas ao ex-presidente.

A investigação que prendeu Temer e outras nove pessoas apura supostos crimes de formação de cartel e prévio ajustamento de licitações, além do pagamento de propina a empregados da Eletronuclear. 

Após decisão do Supremo Tribunal Federal, o caso foi desmembrado e remetido à Justiça Federal do Rio de Janeiro.

O inquérito que mira Temer e seus aliados tem como base as delações do empresário José Antunes Sobrinho, ligado à Engevix.

SAIBA MAIS: Ex-presidente Michel Temer é preso pela Lava Jato

Defesa de Temer entra com pedido de habeas corpus no TRF-2

Preso pela PF, Temer é alvo de dez inquéritos

Ex-ministro do governo Temer, Moreira Franco é preso no Rio

Amigo íntimo de Temer, Coronel Lima também é preso pela Lava-Jato


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.