RONDONOTICIAS terça-feira, 23 de outubro de 2018 - Criado em 11/10/2001

Tratamento de microvarizes moderno contra varizes une laser e injeção de glicose

O tratamento de microvarizes e também das varizes ganhou um reforço de peso


Notícias ao Minuto

08/06/2018 10:13:06 - Atualizado

ClaCs é um tratamento moderno que une o uso de laser transdérmico, escleroterapia (injeção de glicose), resfriador de pele guiado pelo uso de equipamento de Realidade Aumentada. Eficaz contra varizes, procedimento tem risco baixo de complicações alérgicas e manchas

O tratamento de microvarizes — aquelas geralmente menores de 1 mm de diâmetro e que permanecem dentro da camada da pele com aparência arroxeada ou avermelhada — e também das varizes ganhou um reforço de peso. É a técnica ClaCs, tratamento que une o uso de laser transdérmico, escleroterapia (injeção de glicose) e resfriador de pele guiado pelo uso de equipamento de Realidade Aumentada.

“É um procedimento inovador que combina técnicas e minimiza riscos de manchas e reações alérgicas, por isso vem sendo bem aceito entre médicos”, explica a cirurgiã vascular e angiologista Dra. Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

A médica explica que o procedimento utiliza laser não-invasivo e injeções de glicose, para aumentar eficácia do tratamento e reduzir os efeitos colaterais. “Com o método combinado, o laser pode ser aplicado com energia mais baixa (o que diminui a dor no tratamento) emitindo pulsos de luz que penetram no corpo do paciente e são absorvidos pelo sangue – agindo nas varizes sem causar dano à pele”, explica a Dra. Aline. Logo em seguida, a glicose é aplicada nos mesmos locais onde foi realizado o laser, potencializando seu efeito e secando as varizes.

“O pulo do gato nesse caso consiste em aplicar glicose em uma veia que já está sensibilizada com o disparo do laser. Com o disparo do laser, o fluxo de sangue fica lento e permite que a glicose permaneça mais tempo em contato com o vaso”, comenta. As injeções da substância queimam o vaso, provocando uma resposta inflamatória que vai fechá-lo.

Sendo assim, o método inovador reduz a quantidade de sessões. "No geral, apenas três sessões são suficientes para resolver o quadro, com melhora significativa", comenta a médica. Segundo a Dra. Aline, essa técnica permite o tratamento de veias um pouco mais calibrosas (que habitualmente seriam tratadas com microcirurgia) e dos vasinhos, geralmente com resultados mais rápidos e com a grande vantagem de ter chance “zero” de alergia, menor taxa de manchas e de complicações. “Outros tratamentos também podem ser indicados, dependendo do grau das varizes”, finaliza.


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.