09/02/2018 10:12:01 - Atualizado em 09/02/2018 10:12:01

Especialistas dão dicas para proteção da pele e olhos no Carnaval das crianças

É aconselhável que os pais ou responsáveis deem bastante água aos mais pequenos que vão brincar ao Carnaval e participar nos típicos desfiles

“É importante manter as crianças agasalhadas e evitar fantasias com tecidos sintéticos que podem causar alergias na pele", recomenda a dermatologista Tatiana Gabbi.

A especialista alertou também para os cuidados que devem ser tomados relativamente aos pés das crianças e também dos adultos. Para os proteger de calosidades, bolhas, traumas e risco de cortes, a dica é dar preferência para sapatos confortáveis, folgados, nomeadamente optar por ténis ou botas confortáveis (no caso da ocorrência de chuva).

Micoses

Atenção às brincadeiras com balões de água. Foliões de todas as idades devem evitar ficar com roupas molhadas no corpo, porque podem levar ao aparecimento de micoses. “A micose precisa de humidade e calor. Quando ficamos com roupa húmida no corpo, a pele está a ser agredida, o que pode levar ao desenvolvimento de micoses, principalmente na região das virilhas”. Também podem aparecer micoses nos pés, com o uso de sapatos molhados.

No que se refere à maquilhagem para o Carnaval, é possível evitar alergias usando produtos de boa qualidade ou que tenham sido experimentados previamente. Gabbi considera que o uso de purpurinas não constitui um grande risco de alergia.

Para a dermatologista, o problema é quando se aplica maquilhagem de maior cobertura, a chamada maquilhagem artística. “Com a transpiração, há o perigo do produto ir para dentro dos olhos e causar problemas”. A médica recomendou também que se evite a utilização de pinturas na região dos olhos, ou de 'sprays' de espuma que contém, na maioria dos casos, substâncias tóxicas.

Visão

Outra especialista, a oftalmologista Aletea Lima, membro da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, destacou os cuidados que os foliões devem ter em relação à aplicação de pestanas falsas que são bastante utilizadas nesta altura. “Não são proibidas, nem representam risco iminente para a visão, mas é preciso tomar certos cuidados”, advertiu.

O primeiro deles é procurar certificar-se com seu oftalmologista se não sofre de nenhuma alergia na zona das pálpebras e se pode aplicar apetrechos que tenham adesivos ou coisas semelhantes, porque as alterações palpebrais são normalmente microscópicas. “Tente perceber se está com com alguma bactéria no olho ou se tem alguma inflamação, ou propensão para este tipo de reações”.

Os foliões devem ainda fazer uma higiene cuidada das pálpebras antes e depois de colocar qualquer maquilhagem ou apetrecho carnavalesco. Aletea Lima enfatizou que esses produtos são de uso pessoal exclusivo do folião e não devem ser compartilhados com outras pessoas.

Trauma

Deve-se ainda ter cuidado com o trauma direto. Maquilhagens de Carnaval modernas têm muitas vezes luzes que brilham e bastante purpurina. “É preciso ter em atenção as crianças mais novas, para que não levem as mãos ao rosto, e acabem por esfregar o produto, contaminando os olhos ou até ingerindo-o”, sugeriu.

Da mesma forma, a oftalmologista recomendou prudência com confetes, cujas partículas têm mais probabilidade de entrar no olho e de ferirem a córnea, levando possivelmente o folião às urgências hospitalares. "Deve-se usar gotas lubrificantes antes e depois da maquilhagem. Mas se cair algo no olho, a dica é lavar imediatamente com água ou com soro fisiológico, até não sentir mais o desconforto", acrescentou.


comentar

comments powered by Disqus

Ultimas Notícias