RONDONOTICIAS sexta-feira, 20 de setembro de 2019 - Criado em 11/10/2001

Formação de uma equipe de assessores


Por Antônio Queiroz

11/04/2019 10:37:48 - Atualizado

O que tem de "aspone" do governador Marcos Rocha desesperado pelo artigo escrito pelo velho índio Tabajara da Tribo Cariri, na semana passada, em que o ponto focal é a falta de um assessoramento político ao chefe do Poder Executivo do Estado, não está escrito no gibi. Está sendo recomendado que os "preocupados" tomem chá de maracujá. Afinal, preocupação demasiada causa infarto do miocárdio. Mas, é verdade! Bastou uma simples sugestão e as "nuvens negras" jorraram água em todos os quadrantes da cidade. Vou ser breve em um diálogo que tive com o ex-prefeito Chiquilito Erse, quando no exercício do mandato. Considerado uma das maiores lideranças políticas de Porto Velho, Chiquilito Erse, em uma visita feita a esse paraibano em O ESTADÃO DO NORTE,  creditava o sucesso de sua administração ,a montagem de sua equipe e a confiança em seus amigos. A administração de Chiquilito, na medida do possível, tinha um técnico e um político. Desta forma - diz ele - todo e qualquer problema é resolvido.Salvo engano, duas secretarias eram técnicas: Fazenda e Planejamento. Aliado a esses componentes, Chiquilito tinha na pessoa do então vereador Horácio Guedes, seu grande líder na Câmara Municipal de Vereadores de Porto Velho. Quem conhece sabe do potencial de convencimento de Horácio Guedes. O ex-vereador paraibano toma pirulito das mãos de crianças e ainda as deixam sorrindo..Pode uma coisa dessa? Mas é verdade! Quando tinha um sinal de fumaça na Câmara de Vereadores, o professor Horácio era convocado por Chiquilito para apagar o que poderia ser um grande incêndio. Pronto! Lá ia Horácio - como bom soldado cumprir sua missão. Missão dada, missão cumprida! Dependendo do dia da articulação, Horácio ia encontrar-se com Chiquilito na Avenida Abunã, jogando dominó, rodeado de assessores e amigos e/ou no final da tarde no "Grilão". Tradicional ponto de encontro dos amigos de Chiquilito e onde os perna-de-paus maltratavam a pobre número 5.Pronto!!! Radiante e fagueiro, Horácio fazia sinal com polegar prá cima e estava tudo resolvido. Ninguém percebia a mensagem. Depois... bem depois... Chiquilito recebia Horácio para um ti ti ti de "pé de orelha". Todas as explicações eram repassadas e a vitória comemorada. Trazendo para hoje, o coronel Marcos Rocha estaria - ESTARIA !!! - sendo orientado, manipulado, sugestionado ( será que existe? kkkk), assessorado por uma equipe nada convencional para quem deseja administrar um Estado. Mas, até aí, Neves está morta e sepultada.O velho índio Tabajara tomou conhecimento que uma figurinha espera a reunião dos "100 dias" para colocar as luvas e sugerir nomes. Tem cada nome !!! Muitas serão as demissões.Porém, o velho silvícola paraibano acredita no potencial de discernimento do governador Marcos Rocha e, pelo sim e pelo não, credita algumas fichas nas decisões que advirão depois da Semana Santa. Enquanto as mudanças não vêm, o índio Tabajara está construindo uma nova taba...Fui!!!

* Antônio Queiroz é repórter


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.