RONDONOTICIAS terça-feira, 17 de setembro de 2019 - Criado em 11/10/2001

G7 concorda em ajudar os países atingidos pelas queimadas na Amazônia

Em segundo dia do G7, clima é de conciliação e Papa pede oração


Correio Braziliense

26/08/2019 07:46:29 - Atualizado

FRANÇA - Líderes das maiores potências mundiais, reunidos no encontro do G7 em Biarritz, na França, concordaram em ajudar os países atingidos pelas queimadas na Amazônia, anunciou ontem o presidente Emmanuel Macron, anfitrião do evento. Ele ressaltou a necessidade de recuperação das áreas afetadas, “respeitando a soberania” e na busca do reflorestamento. “Há uma convergência real para dizer que todos concordamos em ajudar os países afetados por esses incêndios o mais rápido possível”, disse o francês, autor da proposta de inclusão da Amazônia na pauta do G7, ao lado de assuntos comerciais e de segurança. A reunião termina hoje (26).
Macron afirmou também que “há contatos” sendo feitos pela França “com todos os países da Amazônia”, para disponibilizar “meios técnicos e financeiros”. Consultadas, as assessorias do Palácio do Planalto e do Ministério das Relações Exteriores informaram que não houve contato europeu para oferecer ajuda ao país.
Pelo Twitter, o presidente Jair Bolsonaro anunciou apoio de Israel. “Em contato telefônico com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, este reconhece os esforços do Brasil no combate aos focos de incêndio na Amazônia. Aceitamos o envio, por parte de Israel, de aeronave com apoio especializado para colaborar conosco nessa operação”, escreveu.
“Somos uma das maiores democracias do mundo, comprometidos com a proteção ambiental e respeitamos a soberania de cada país. Meu muito obrigado a dezenas de chefes de estado que me ouviram e nos ajudaram a superar uma crise que só interessava aos que querem enfraquecer o Brasil!”, diz o presidente, em outro post.
Bolsonaro também compartilhou um vídeo com imagens registradas no sábado (24) pelo canal oficial da cúpula do G7, em Biarritz. A gravação mostra seu nome sendo citado pela chanceler alemã, Angela Merkel, em diálogo com outros líderes mundiais. “Eu anunciei que vou ligar para ele [Bolsonaro] na próxima semana para que não fique com a impressão de que estamos trabalhando contra ele”, afirma Merkel, na cena gravada. “É, eu acho importante”, responde o premiê britânico, Boris Johnson. Macron, então, questiona: “Ligar para quem?” “Bolsonaro”, responde Merkel. O francês parece surpreso e completa: “Sim, sim, vou te dizer… Vamos ligar para ele. E nossos chefes de gabinete…”, diz, segundos antes de a imagem oficial ser cortada.
No texto que acompanha o vídeo, Bolsonaro diz: “Desde o princípio, busquei o diálogo junto aos líderes do G7, bem como da Espanha e do Chile, que participam como convidados. O Brasil é um país que recupera sua credibilidade e faz comércio com praticamente o mundo todo”, publicou. 
O papa Francisco pediu ontem um compromisso global para combater as queimadas na Amazônia, considerada por ele essencial para a saúde do planeta. “Estamos todos preocupados com os grandes incêndios que ocorrem na Amazônia. Vamos orar para que, com o empenho de todos, possam ser controlados o mais breve possível. Esse pulmão florestal é vital para o nosso planeta”, disse ele a milhares de pessoas, na Praça de São Pedro, depois da tradicional oração do Angelus.


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.