RONDONOTICIAS domingo, 16 de junho de 2019 - Criado em 11/10/2001

Marcola e 21 membros do PCC são transferidos para Presídios Federais, entre eles, o de Porto Velho

Remoção acontece nesta quarta-feira (13). Integrantes também devem ser transferidos para Brasília (DF) e Mossoró (RN)


13/02/2019 09:14:58 - Atualizado

Foto: Folha de São Paulo

BRASIL - O líder do PCC (Primeiro Comando da Capital) Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, deve ser transferido para um Presídio Federal nesta quarta-feira (13). Outros 21 líderes do 1° e 2° escalão da facção criminosa também serão removidos, segundo um promotor de Justiça que atua na cidade de Presidente Venceslau, interior de São Paulo.

A remoção, segundo o promotor, está prevista para ocorrer nesta manhã. Os integrantes da facção também devem ser transferidos para os Presídios Federais de Brasília (DF), Mossoró (RN) ou Porto Velho (RO).

De acordo com os investigadores, que haviam pedido a remoção dos presos em outubro do ano passado, as Penitenciárias foram escolhidas em razão da localização, o que dificultaria a comunicação com os demais membros da organização criminosa. 

A transferência foi pensada após a descoberta de um plano de resgate de Marcola.

Segundo informações, 15 membros da facção cumpriam pena na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau e outros sete no Centro de Reabilitação Penitenciária, onde se cumpre o RDD (Regime Disciplinar Diferenciado).

Marcola e os demais detentos transferidos devem permanecer no Presídio Federal por pelo menos dois anos. O prazo pode ser prorrogado pelo estado. Membros do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) consideram que a transferência demorou para ocorrer.

A Polícia está em estado de alerta durante a remoção. Policiais civis, militares e até federais estão de sobreaviso para eventuais retaliações.

Ameaça a promotor

Em depoimento a cinco promotores de Justiça e delegados que integram a força-tarefa do Ministério Público de São Paulo para investigar as ameaças, o líder Marcola negou que tenha feito ameaças ao promotor do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) Lincoln Gakiya.

Segundo fontes, ele afirmou que não teria dado ordens para orquestrar o assassinato de Gakiya, um dos principais promotores que investiga o crime organizado e o responsável pelo pedido de transferência à Justiça de Marcola e outros membros da facção para Presídios Federais.

Marcola, que cumpria pena na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, também teria negado mais uma vez ser o líder da facção e teria dito também que "nunca agiu com violência" e "nunca ameaçaria um promotor de Justiça".

CONFIRA os presos que serão transferidos

– Lourinaldo Gomes Flor (‘Lori’)

– Marcos Williams Camacho (‘Marcola’)

– Pedro Luís da Silva (‘Chacal’)

– Alessandro Garcia de Jesus Rosa (‘Pulft’)

– Fernando Gonçalves dos Santos (‘Colorido’)

– Patric Velinton Salomão (‘Forjado’)

– Lucival de Jesus Feitosa (‘Val do Bristol’)

– Cláudio Barbará da Silva (‘Barbará’)

– Reginaldo do Nascimento (‘Jatobá’)

– Almir Rodrigues Ferreira (‘Nenê de Simone’)

– Rogério Araújo Taschini (‘Taschini’/’Rogerinho’)

– Daniel Vincius Canônico (‘Cego’)

– Márcio Luciano Neves Soares (‘Pezão’)

– Alexandre Cardoso da Silva (‘Bradok’)

– Julio Cesar Guedes de Moraes (‘Julinho Carambola’)

– Luis Eduardo Marcondes Machado de Barros (‘Du da Bela Vista’)

– Celio Marcelo da Silva (‘Bin Laden’)

– Cristinao Dias Gangi (‘Crisão’)

– José de Arimatéia Pereira Faria de Carvalho (‘Pequeno’)

– Alejandro Juvenal Herbas Camacho Marcola Júnior (‘Marcolinha’)

– Reinaldo Teixeira dos Santos (‘Funchal’)

– Antonio José Muller Junior (‘Granada’)

Fonte: R7 e Folha de São Paulo


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.