RONDONOTICIAS terça-feira, 21 de janeiro de 2020 - Criado em 11/10/2001

Deputado Jean de Oliveira fala sobre potencial elétrico de RO e royalties

De acordo com o parlamentar, royalties repassados hoje ao estado giram em torno de 5% do total de faturamento das usinas


Jaqueline Alencar / Rondonoticias

27/11/2019 07:21:53 - Atualizado

PORTO VELHO RO – O Programa a Voz do Povo, apresentado pelo jornalista e advogado Arimar de Souza Sá ao vivo de segunda-feira à sexta-feira do meio-dia às 13 horas na capital pela Rádio Caiari 103,1 e em Rede Estadual pela Antena FM, recebeu nessa terça-feira (25), o deputado estadual Jean Oliveira (MDB).

No programa, o deputado que está em seu segundo mandato e também já foi vereador de Porto Velho, fez uma avaliação sobre o primeiro ano do Governo Marcos Rocha, e salientou que já é possível observar que a gestão do atual governador vai focar na saúde, mas frisou que é importante melhorar os avanços em relação à infraestrutura.

Ao falar sobre as pautas importantes que vêm sendo discutidas pelo Governo e o Poder Legislativo, o parlamentar destacou os problemas em torno da Energisa, empresa que gerencia a distribuição de energia no estado, que na opinião dele, vem na contramão do social, visando apenas a questão econômica com reajustes de 50% até 70% nas contas de energia dos rondonienses, causando grandes transtornos, inclusive a empreendimentos que vêm enfrentando dificuldades de manter as portas abertas devido aos custos elevados.

“Também estamos discutindo um débito que esta empresa tem com Rondônia, que não podemos aceitar de maneira nenhuma, pois está sendo negociado de forma que apenas a beneficie”, complementou.

Na entrevista, Jean de Oliveira também lembrou que Rondônia tem grande potencial hidrelétrico e conta com micro e grandes geradoras de energia, citando como exemplo as UHE Santo Antônio e Jirau, instaladas no Rio Madeira, e a possibilidade ainda de mais duas binacionais no estado.

“Quando discutimos geração de energia, precisamos lembrar que a Legislação que compete aos deputados federais e senadores, não prevê que estados geradores tenham abatimentos nas contas das residências, comércios ou indústrias. Rondônia produz atualmente cerca de 10 mil mega watts de energia, suficientes para abastecer aproximadamente 50 milhões de lares. Porém, o estado conta com em torno de 2 milhões de habitantes”, apontou, acrescentando que existe uma cobrança neste sentido junto ao Congresso Nacional.

“Porém essa definição de como abaixar o valor da tarifa da energia elétrica, precisa ser discutida. O que ganhamos hoje em termos de geração de energia? Somente royalties, que hoje gira em torno de 5% do total de faturamento das usinas”, completou, esclarecendo ainda que os valores administrados pelo estado destes recursos que giram em torno de R$ 60 a 80 milhões por ano, foram empregados para pagar as dívidas adquiridas ao longo do tempo em cerca de 20 anos de inadimplência com a Previdência comprometendo inclusive aposentadorias, investimentos e custeios.

“Não existe uma forma de especificar onde foi gasto em investimentos e custeios, mas entrei com um projeto que tratava sobre a destinação de 20% destes royalties para criação de uma universidade estadual, porém foi vetado pelo governador na época em que foi encaminhado para sanção”, retomou resumindo.

Agronegócio

No programa, o deputado também falou sobre manutenção nas redes de energia nas zonas rurais; regularização fundiária, que conforme salientou, tem avançado muito nas últimas e na atual gestão; deficiências que ainda persistem em relação as melhorias de estradas rurais e rodovias e que conforme relatou “não chegou onde queríamos”; declarou que é contra o fim da vacinação no combate à febre aftosa por temer uma sabotagem que pode dar fim aos valores agregados a pecuária do estado; explanou ações parlamentares em favor do estado; e outros assuntos de interesse de todos.    

CONFIRA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA:

A VOZ DO POVO - Entrevista deputado estadual Jean de Oliveira


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.