RONDONOTICIAS quinta-feira, 15 de novembro de 2018 - Criado em 11/10/2001

Reconhecimento facial do iPhone X afeta investigações e gera polêmica

Autoridades estão obrigando suspeitos a desbloquearem os seus celulares, pois leis norte-americanas protegem senhas, mas não mencionam biometria


Notícias ao Minuto

22/10/2018 11:45:51 - Atualizado


recurso de identificação facial do iPhone X tem mudado o curso de investigações nos Estados Unidos. Especialistas forenses da empresa Elcomsoft foram orientados a "não olhar para a tela" de celulares durante perícias criminais. O objetivo é impedir que o smartphone seja bloqueado e desative o Face ID.

Segundo o site 'Motherboard', o caso está relacionado a uma prática recente adotada pelo FBI, que forçou um suspeito a desbloquear o próprio iPhone usando o reconhecimento facial, como revelado pela 'Forbes'.

Como explica o 'TechTudo', toda vez que o usuário acende a tela do celular, o scanner facial entra em modo de rastreio e só desbloqueia se o rosto do usuário já tiver sido cadastrado previamente. Se não identificar o rosto, o sistema segue verificando por cinco tentativas. Após estourar as possibilidades, o software exige o código do dispositivo para desbloqueá-lo.

A recomendação da empresa de perícia visa, portanto, impedir que o iPhone X solicite o código de desbloqueio. Assim, as autoridades podem fazer com que os suspeitos desbloqueiem os seus celulares usando o Face ID.

As leis dos Estados Unidos garantem o sigilo de senhas, mas não mencionam o uso de reconhecimento facial ou impressões digitais. Essa brecha permite que autoridades forcem suspeitos a entregarem informações armazenadas em seus dispositivos.



Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.