RONDONOTICIAS terça-feira, 21 de maio de 2019 - Criado em 11/10/2001

Crimes contra o patrimônio acontecem mais na região Central


Pâmela Pimenta - Rondonoticias

25/02/2019 18:06:21 - Atualizado

PORTO VELHO, RO - Em entrevista exclusiva ao Rondonoticias, os delegados Leonardo Matos e José Marcos informaram que os casos de crimes contra o patrimônio acontecem com maior incidência na região Central de Porto Velho.

De acordo com eles, “há oito delegacias distritais na capital e o maior volume de ocorrências registradas deste tipo são no Centro, pois há maior número de comércios”.

Ainda segundo o delegado Leonardo Matos, em contrapartida, os outros maiores registros dos casos ocorrem nas proximidades da região na Avenida Jorge Teixeira até a Avenida Amazonas, também próximo a Rodoviária que vai até a Avenida Mamoré e por último na Zona Leste.

Além disso, os delegados afirmam que na Delegacia de Patrimônio são investigados casos em que foram roubados valores que ultrapassem 40 salários mínimos.

“Aqui na Patrimônio damos foco a crimes que representem um maior valor econômico, com maior repercussão. Em tese porque são criminosos que possuem uma especialização e apresentam maior periculosidade à sociedade. Geralmente são crimes mais planejados e neste sentido, podemos dar uma resposta mais eficaz e rápida para solucionar os crimes e desarticular organizações criminosas. Casos com valores menores, são de responsabilidades de outras delegacias”,enfatizam.

Segundo eles, os crimes patrimoniais mais comuns são os furtos, roubos, extorsão.

“Os crimes patrimoniais são os que registram maior demanda a frente de qualquer outro, e as penalidades variam de acordo com algumas circunstâncias”, destacam.

“Quando vamos estudar o caso geralmente verificamos alguns detalhes, por exemplo, se ele se enquadrará como furto ou roubo, se houve emprego de violência como a lesão corporal, se aconteceu durante o dia ou à noite, o autor estava armado, ele é co-autor, estava sozinho, entre outros detalhes”, enfatizam.

Furto

A pena para o crime de furto é a reclusão de um a quatro anos e multa, podendo ser maior em casos de furtos cometidos durante a noite ou quando há a quebra de uma barreira física (porta, portão, cerca, etc.).

Roubo

A pena é a reclusão de quatro a dez anos e multa, que podem ser maiores quando o crime é cometido com o uso de uma arma, quando há lesão corporal grave ou ainda quando a vítima não é liberada no momento do roubo, impedindo a sua liberdade.

Extorsão

Reclusão de quatro a dez anos e multa é a pena para o crime de extorsão, que pode ser aumentada mediante sequestro, quando há lesão grave ou morte.

Outros crimes contra o patrimônio

Segundo os delegados, além de extorsão, roubo e furto, existem outros casos de crimes contra o patrimônio. São eles:

Usurpação: Normalmente está relacionada a bens imóveis. É quando uma pessoa se apropria (em parte ou totalmente) do patrimônio do outro, ao deslocar uma linha divisória, que pode ser uma cerca, por exemplo. Também se classifica como usurpação o desvio de rios e represas e a apropriação de rebanho de animais.

Dano: é deteriorar ou destruir o bem de outra pessoa, utilizando ou não de violência contra o dono. Também é considerado dano abandonar animais em propriedade de outrém.

Apropriação indébita: é quando uma pessoa adquire a posse de um bem móvel (por empréstimo ou por confiança), mas depois se nega a devolvê-lo, apoderando-se desse bem. Apropriar-se de uma "coisa achada" também é apropriação indébita. Quem acha um bem perdido deve entregá-lo ao dono ou à autoridade competente num prazo máximo de 15 dias.

Estelionato e outras fraudes: é obter vantagem prejudicando outra pessoa, normalmente induzindo ao erro ou cometendo uma fraude. Exemplos: vender um produto com qualidade inferior do que foi anunciado, destruir um veículo para receber o seguro e emitir cheque sem fundo.

Receptação: é quando uma pessoa transporta, adquire, recebe ou oculta algo que sabe que é produto de um crime. Também se encaixa nesse tipo de crime induzir alguém, de boa-fé, a praticar a receptação.

Latrocínio

Além destes crimes, ainda há de se ressaltar os latrocínios. Segundo o delegado José Marcos, “em 2019, levando em consideração que ainda estamos no mês de fevereiro, foram registrados cinco casos de latrocínios somente na capital Porto Velho, é um índice que para nós, é considerado alto e preocupante.” enfatizou o delegado.

“Geralmente os casos de maior repercussão e que assustam são os latrocínios, como por exemplo, aquele roubo no dia 4 de janeiro deste ano, em que criminosos aproveitaram que havia uma comemoração na casa de um policial civil e invadiram o local, e consequentemente uma vítima acabou morrendo e dois ficaram feridos”, destaca José Marcos.

Leia mais: Assalto: Criminosos invadem casa de policial civil, matam um e deixam dois feridos

Recomendações

Os delegados deram ainda algumas instruções para minimizar a incidência dos crimes contra o patrimônio. Atenção as orientações:

1- Ter cuidado com o patrimônio. Evite exposição desnecessária;

2- Se tiver com um carro, evite ficar parado dentro dele no local durante muito tempo;

3- Evitar uso de celular na rua à noite e dia. Isso distrai e chama atenção de criminosos;

4- Prestar atenção na movimentação do local onde você está. Criminosos gostam de oportunidades e facilidades e geralmente se aproveitam das distrações das vítimas.

5- Em residências, mantenha sempre os portões e portas trancados. Evite ficar na frente de sua casa conversando com outras pessoas.

6- Para os donos de empresas, por exemplo, em transferências de valores tente quebrar rotina para não serem seguidos, evite comentários e muitas vezes, você pode contratar quem realiza este tipo de serviço com maior segurança.


Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade.