• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, sábado 24 de fevereiro de 2024

Primeira parcela do 13º deve injetar mais de R$ 100 bi na economia

Associação comercial estima impacto positivo no consumo, mas menos intenso devido ao endividamento das famílias


R7

Publicada em: 30/11/2023 10:17:02 - Atualizado

BRASIL: O pagamento da primeira parcela do 13º salário, que será realizado nesta quinta-feira (30), deve injetar pelo menos R$ 100 bilhões na economia.

A estimativa é baseada em estudo do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), que prevê um total de R$ 291 bilhões até o fim do ano, considerando todas as parcelas e os abonos antecipados em 2023.

Em meio a recordes de endividamento das famílias e a programas de renegociação, como o Desenrola Brasil, uma parte do valor deverá ser usada para o pagamento de dívidas. A previsão é da ACSP (Associação Comercial de São Paulo).

"Uma parte importante desse dinheiro extra vai ser usada na quitação das dívidas, mas vai sobrar uma porcentagem para ser usada no consumo", estima Ulisses Ruiz de Gamboa, economista da associação.

Para ele, mesmo assim, o impacto será positivo para o comércio, em razão do aumento da confiança do consumidor, da recuperação da renda e do emprego, da redução da inflação e da taxa básica de juros, a Selic.

Com isso, a expectativa é de retomada das vendas, com crescimento de cerca de 2% no ano em relação a 2022.

As vendas cresceram 0,6% em setembro, segundo Pesquisa Mensal de Comércio, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O setor acumula alta de 1,8% no ano e de 1,7% em 12 meses, mas já opera 4,9% acima do patamar pré-pandemia, registrado em fevereiro de 2020.

"A gente espera uma retomada das vendas no varejo, tanto nacional como em São Paulo, em função do 13º salário. O impacto é positivo, mas é menos intenso por essa questão do endividamento", acrescenta o economista.

Em termos de vendas do comércio, Gamboa prevê que o ano vai terminar com resultado um pouco melhor do que se esperava a princípio, em razão da atividade econômica, que também foi revisada.

"Influem muito a redução dos juros e o aumento da confiança, além da recuperação da renda e do emprego, que foi uma das melhores notícias econômicas do ano. Os resultados vão apontar um crescimento em relação ao ano passado, incluindo aí Black Friday e Natal", conclui o economista.

Benefício para 87,7 milhões de brasileiros

Segundo estudo do Dieese, o 13º salário deverá injetar cerca de R$ 291 bilhões na economia brasileira neste ano. Serão beneficiados 87,7 milhões de brasileiros, entre trabalhadores, aposentados e pensionistas da Previdência Social, da União, dos estados e dos municípios.

O valor representa 2,7% do PIB (Produto Interno Bruto), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país.

Em média, o valor do 13º salário do setor formal corresponde a R$ 3.806. A maior média deve ser paga aos trabalhadores do setor de serviços (R$ 4.460). Na sequência, aparece a indústria (R$ 3.922), e o menor pagamento adicional ficará com os trabalhadores do setor primário (R$ 2.362).

O esperado pagamento da primeira parcela do abono natalino deve ser feito até esta quinta-feira (30) aos trabalhadores com carteira assinada. Já a segunda e última parcela tem que ser paga até o dia 20 de dezembro.

Renegociação

A parcela de famílias com dívidas a vencer atingiu 78,5% em junho. Desse total, 18,5% se consideram muito endividados, o maior volume da série histórica, iniciada em janeiro de 2010, da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

Para recuperar as condições de crédito dos devedores, foi lançado em 17 de julho o programa Desenrola Brasil. Desde então, o programa possibilitou que mais de 3 milhões de brasileiros renegociassem cerca de R$ 26 bilhões em dívidas. Como parte do programa, os principais bancos do país retiraram automaticamente 10 milhões de registros de negativação de pequenas dívidas, com valor de até R$ 100.

Em 9 de outubro foi lançada a segunda etapa do programa com a plataforma para renegociação de dívidas em geral, com descontos de até 99% e parcelamento. O Desenrola termina no fim de dezembro deste ano.






Fale conosco