• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, domingo 19 de maio de 2024

Paciente que teve remissão total de câncer com novo tratamento volta andando para casa

Com a doença avançada, o paciente vivia com morfina e mal conseguia caminhar.


G1

Publicada em: 11/07/2023 15:47:31 - Atualizado

BRASIL: Se essa história virar um livro, o título poderia ser: "O retorno do Peregrino". Quatro meses depois de deixar Niterói, no Rio de Janeiro, de UTI móvel, Paulo Peregrino, o paciente que passou por um tratamento considerado revolucionário no combate ao câncer, voltou para casa caminhando e trazendo as próprias malas.

O publicitário combatia o câncer havia 13 anos e teve remissão completa do linfoma em 30 dias com CAR-T Cell (entenda o método abaixo). Paulo estava prestes a receber cuidados paliativos quando, entre março e abril, foi o 14º paciente a ser tratado pela terapia, em São Paulo.

A técnica combate a doença com as próprias células de defesa do paciente modificadas em laboratório e faz parte de um estudo que usa verbas da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Aos 61 anos, no último sábado, Paulo fez as malas e pegou um ônibus de São Paulo a Niterói com a esposa e a prima dela. O site acompanhou as mais de 6 horas de viagem até o momento da chegada na casa.

Carregar as malas sozinho tem um significado importante ao publicitário. Em 2022, ele mal andava e não conseguia colocar o tênis com o inchaço na perna direita.

Na porta, o filho, de 29 anos, esperava o pai. A cadela Aretha estava no quintal e só reconheceu o dono depois de uma cheirada e uma lambida.

Linha do tempo desde 93

Na escada a caminho dos quartos, vários retratos de pai, mãe e filho contam a história desde 1993, quando o Gabriel "foi gerado", brinca Ana Maria Peregrino, a esposa.

A esposa mostra a sequência e havia um espaço ainda vazio com um adesivo escrito "2022".

"Eu fiquei na expectativa muito grande se eu iria conseguir completar esses quadros. Pra que a gente tivesse essa recordação com ela", contou Ana, que completou a coleção de fotos família.

CAR-T Cell brasileiro

No total, 15 pacientes participaram da mesma pesquisa com a terapia experimental que Paulo passou. O método tem como alvo três tipos de cânceres: leucemia linfoblástica B, linfoma não Hodgkin de células B e mieloma múltiplo, que atinge a medula óssea. O protocolo contra mieloma múltiplo ainda não está disponível no país. 

  • 10 estão vivos;
  • 6 tiveram remissão completa e a doença não voltou;
  • 2 tiveram remissão completa, mas a doença voltou depois de alguns meses;
  • 2 iniciaram o tratamento recentemente.
  • 5 pacientes faleceram;
  • 2 morreram poucos dias depois da infusão por infecções causadas pela própria doença;
  • 2 tiveram remissão parcial ou total dos tumores, mas morreram meses depois porque o câncer voltou;

Vamberto Luiz de Castro, o primeiro paciente a realizar o tratamento em 2019, teve remissão total, mas morreu pouco tempo depois em um acidente doméstico.

O coordenador da pesquisa e do Centro de Terapia Celular CEPID-USP e do Núcleo de Terapia Celular do Hemocentro de Ribeirão Preto, Dimas Covas, quer ampliar os estudos no mês que vem.

"Continuamos, sim, com a inclusão de pacientes com estudos compassivos e esperamos em breve ter autorização da Anvisa para iniciar o estudo clínico. Estudo clinico de fase 1 e fase 2 que pretenda incluir 81 pacientes. Esperamos aprovação ainda em julho para que em agosto possamos iniciar esse estudo mais abrangente."


Fale conosco