• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, domingo 25 de fevereiro de 2024

Economia brasileira desacelera e cresce 0,1% no terceiro trimestre

Terceira alta trimestral consecutiva faz PIB nacional operar em patamar 7,2% acima do nível pré-pandemia, mostra IBGE


R7

Publicada em: 05/12/2023 09:55:56 - Atualizado

BRASIL: A economia brasileira perdeu ritmo e cresceu 0,1% no terceiro trimestre na comparação com os três meses anteriores, segundo dados revelados nesta terça-feira (5) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Mesmo com a desaceleração, o PIB (Produto Interno Bruto) — soma de todos os bens e serviços finais produzidos no país — opera 7,2% acima do nível pré-pandemia, registrado no último trimestre de 2019.

Em valores finais, a economia nacional produziu R$ 2,741 trilhões entre julho e setembro, desempenho 3,2% melhor na comparação com o mesmo período do ano passado, mostra o SCTN (Sistema de Contas Nacionais Trimestrais).

Mesmo positivo, o resultado do terceiro trimestre confirma a tendência de perda de ritmo da atividade econômica já observada nos três meses anteriores, quando o PIB nacional avançou 1% na comparação com a alta de 1,4% apurada no primeiro trimestre deste ano, puxado pelo bom desempenho da agropecuária (+12,5%).

A divulgação também traz revisões das séries relativas a todos os trimestres do ano passado e dos dois primeiros deste ano. As atualizações revelam um crescimento menor no primeiro e no segundo trimestre deste ano, em relação aos números iniciais.

“Com essa revisão, o resultado anual de 2022 variou +0,1%, explicado principalmente pela mudança de pesos do Sistema de Contas Nacionais. Já as revisões do primeiro e segundo trimestres de 2023 foram mais relacionadas à agropecuária”, explica Rebeca Palis, coordenadora do estudo.

Setores

Dos três grandes setores econômicos analisados pelo IBGE, indústria (+0,6%) e serviços (+0,6%) avançaram no trimestre, enquanto a agropecuária, motor do crescimento no início deste ano, teve contração de 3,3%.

“Olhando por dentro do setor de serviços, os maiores destaques são as atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,3%), especialmente na parte ligada aos seguros, e as imobiliárias (1,3%), com o aumento no número dos domicílios”, afirma Rebeca.

A agropecuária, por sua vez, ficou no campo negativo após cinco trimestres com taxas positivas. "A agropecuária atingiu o seu maior patamar no trimestre passado e neste há a saída da safra da soja, a maior lavoura brasileira, concentrada no primeiro semestre", diz a pesquisadora.

A análise leva em conta que há um grande peso do produto na comparação com o período de menor peso. Mesmo com a queda já esperada, o setor acumula alta de 18,1% até o terceiro trimestre.




Fale conosco