• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, quinta-feira 22 de fevereiro de 2024

Veja como Diniz usou data da final como motivação no Fluminense

A repetição, algo comum nos treinos de Diniz, passou a ser usada de forma verbal nos últimos meses.


ge

Publicada em: 04/11/2023 09:58:28 - Atualizado


Que dia é hoje? 4 de novembro! A pergunta, tantas vezes feita pelo técnico Fernando Diniz em busca da resposta com a data da final da Conmebol Libertadores, que acontece neste sábado, no Maracanã, virou uma espécie de mantra no dia a dia do Fluminense.

A repetição, algo comum nos treinos de Diniz, passou a ser usada de forma verbal nos últimos meses. Tudo com o objetivo de fazer os jogadores mentalizarem o título - sem esquecer de curtir o processo e viver o momento, algo tão importante na busca pela tão sonhada "Glória Eterna".

"É até engraçado que todos os dias, pode ser pela manhã, à tarde, o horário que for, quando chegamos para trabalhar a primeira coisa que ele pergunta é: "Que dia é hoje?" E a gente tem que responder 4 de novembro. Porque a gente tem que trabalhar pensando no 4 de novembro porque só assim a gente vai ter êxito"— Guga, em entrevista após o jogo contra o Inter

Quando estava iniciando a carreira como treinador, Diniz dividiu as atenções com a faculdade de psicologia. Ele se formou em 2012 e usa o aprendizado como parte do trabalho. Seja com vídeos motivacionais nas preleções ou discursos inflamados antes e durante os jogos, o treinador tenta trabalhar a cabeça para encorajar os jogadores.

Na semifinal, contra o Internacional, no Beira-Rio, quando o Fluminense perdia por 1 a 0 e estava sendo eliminado, o treinador entrou em ação no intervalo. Falou que colocaria Martinelli e John Kennedy em campo e que o Flu iria virar o jogo - o atacante fez um gol e ainda participou da jogada do segundo, marcado por Germán Cano. A equipe se classificou para a final com uma virada por 2 a 1.

Vão entrar o Martinelli e o John Kennedy... E vão correr para car***. E vocês vão virar a p*** do jogo"— Diniz no intervalo do jogo contra o Inter

Diniz é conhecido pelo público em geral pela personalidade forte, por ser autêntico e viver intensamente os jogos. Pela forma acalorada que fica no gramado durante as partidas e também nas coletivas. Mas, nos bastidores, é um cara por vezes sereno, muito querido e aplicado.

Conhecido também pela lealdade e dedicação. Sempre exigente - mas na tentativa de extrair o melhor de cada um. "Um cara que faz de tudo para que os jogadores aproveitem o ciclo no futebol", costumam dizer seus jogadores.

Como na visualização mental do "4 de novembro", em que transporta o jogador para o destino final da Conmebol Libertadores 2023. Mas passando o entendimento e o sentimento de que o melhor foi feito desde o começo, que a final só seria disputada com dedicação máxima nos treinos e no jogos antes da partida mais importante da história do clube.

Acho que isso de ser do dia 4 de novembro só nos mobiliza mais para poder jogar. É viver cada dia de maneira bastante intensa, que eu acho que a melhor maneira de se preparar para o dia 4 é viver os treinamentos e os jogos de maneira intensa"— Diniz, na coletiva após o jogo contra o Corinthians



Fale conosco