• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, sábado 20 de abril de 2024

Popó alerta Bambam antes da luta de sábado: “Vou passar por cima”

Tetracampeão mundial rechaça aposentadoria e diz que chegou a hora de rival pagar pelas provocações.


ge

Publicada em: 23/02/2024 11:11:51 - Atualizado


Está chegando a hora de Acelino Popó e Kleber Bambam finalmente se encontrarem no ringue. Após meses de provocações, especialmente por parte do ex-BBB, eles se enfrentarão neste sábado, na luta principal do Fight Music Show 4, que será realizado em São Paulo.

O Combate transmite o card principal ao vivo. A TV Globo exibirá a luta entre Popó e Bambam após o Supercine. O card preliminar terá transmissão no Youtube do Combate.

Aos 48 anos de idade e dono de quatro títulos mundiais de boxe, Popó contou, em entrevista exclusiva ao Combate, que um de seus maiores objetivos ao se manter ativo nestes duelos foi alcançado, que é popularizar a nobre arte no país.

Aos 48 anos de idade e dono de quatro títulos mundiais de boxe, Popó contou, em entrevista exclusiva ao Combate, que um de seus maiores objetivos ao se manter ativo nestes duelos foi alcançado, que é popularizar a nobre arte no país.

- O gostoso disso tudo é que estou divulgando o meu esporte. Tem muita gente voltando, tem muita gente chegando, tem muita gente começando a praticar o boxe, e isso que é legal, né? Essa juventude que não conhecia o Popó. Muitas mulheres praticando boxe, muitos professores vivendo do boxe, conseguindo sustentar a sua família através das aulas de boxe. Isso que é legal, trazer uma era assim, muito bacana, e que a galera possa se divertir e possa aproveitar essa onda aí, não deixar isso apagar não, porque é um esporte que você educa, que você edifica, que você consegue unir todos os tipos de pessoas. Você vai numa luta de boxe, você vê tanto rico como pobre, todo mundo torcendo ali junto, como preto, como branco, como hétero, como gay, todo mundo ali junto. Então, isso é o esporte que une essa galera toda.

Popó confessa que a adrenalina não é uma sensação que mexia muito com ele, nem mesmo nos grandes combates de sua carreira, mas o inimigo em sua parte emocional era outro.

- Na verdade, a minha adrenalina sempre foi muito tranquila. O que me causava muito aquela aflição, aquela coisa que maltratava muito, eu como atleta do rendimento, era perda de peso. Eu perdia muito peso, então eu sofria muito para dar a minha categoria, sofria muito para dar o peso. Então, na verdade, eu treinava mais para perder peso do que me preparar para uma luta e, automaticamente, eu, perdendo peso, me preparava além do normal. Então é isso aí. Hoje não. Hoje é só diversão, é fazer aquilo que eu gosto de fazer, que é o esporte, divulgando ele e procurando sempre o que eu gosto, que é o nocaute.



Fale conosco