• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, quinta-feira 18 de abril de 2024

Parlamento húngaro aprova entrada da Suécia na Otan; país será 32º membro da organização

Parlamento húngaro aprovou a entrada da Suécia após adiar a decisão durante mais de 18 meses.


g1

Publicada em: 26/02/2024 18:09:45 - Atualizado


FOTO G1

MUNDO: A Hungria aprovou nesta segunda-feira (26) a entrada da Suécia na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). A aprovação era a última que faltava para a entrada oficial do país nórdico na organização militar.

O parlamento húngaro aprovou com 188 votos a favor e seis contra a entrada da Suécia —após adiar a decisão por mais de 18 meses. Para ingressar na Otan, era preciso a aprovação de todos os integrantes da organização.

O primeiro-ministro sueco, Ulf Kristersson, classificou esta segunda como um dia histórico e escreveu nas redes sociais que: "estamos prontos para assumir a nossa parte de responsabilidade pela segurança da Otan”.

Agora, é necessária uma assinatura presidencial da Hungria para endossar formalmente a aprovação da candidatura sueca à Otan — o que é esperado que aconteça nos próximos dias. Em seguida, a Suécia se tornará oficialmente o 32º membro do acordo militar.

O que muda com a Suécia na Otan?

Com a Suécia participando da Otan, toda a costa do Mar Báltico fará parte do território da aliança – com exceção da costa da Rússia e Kaliningrado. Ou seja, no caso de um ataque russo, por exemplo, seria mais fácil defender os países bálticos.

O Mar Báltico também é estratégico do ponto de vista comercial: é uma rota de acesso marítimo aos portos de São Petersburgo e Kaliningrado, ambos na Rússia.

Em 2023, um porta-voz da Rússia disse que a entrada da Suécia na aliança, na ocasião ainda uma possibilidade, traria consequências "negativas", e que Moscou responderia com medidas "antecipadas" e "planejadas".

Além disso, o exército sueco e todo equipamento militar do país também vão pertencer à Otan.

Apesar do país ser pequeno – ter uma força militar de aproximadamente 50 mil pessoas (sendo metade reservista) –, Simon Koschut, que ocupa a cadeira de política de segurança internacional na Universidade Zeppelin em Friedrichshafen, na Alemanha, afirmou à agência DW que "os suecos têm um exército muito moderno, em particular uma força aérea moderna de fabricação própria".




Fale conosco