• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, terça-feira 16 de abril de 2024

Netanyahu confirma autoria de Israel em ataque que matou agentes humanitários: “Não intencional”

"Isso acontece em tempos de guerra. Estamos investigando minuciosamente o assunto", disse o premiê em um comunicado em vídeo


CNN

Publicada em: 02/04/2024 10:39:36 - Atualizado


MUNDO: O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu confirmou, nesta terça-feira (2), que as Forças de Defesa de Israel (FDI) foram responsáveis pelo ataque que matou ao menos sete agentes humanitários em Gaza, descrevendo o episódio como “trágico” e “não intencional”.

“Isso acontece em tempos de guerra. Estamos investigando minuciosamente o assunto, estamos em contato com os governos [dos estrangeiros entre os mortos] e faremos tudo para garantir que isso não aconteça novamente”, disse o premiê em um comunicado em vídeo.

As FDI acompanharam Netanyahu e afirmaram, em comunicado, que “o trágico incidente da noite passada ocorreu como resultado de um ataque das FDI e estamos investigando as circunstâncias”.

Cidadãos da Austrália, Reino Unido e Polônia estão entre as sete pessoas que trabalhavam para o famoso chef José Andrés na organização World Central Kitchen (WCK), que foram mortas em um ataque aéreo israelense no centro de Gaza na segunda-feira (1º), disse a ONG.

Os trabalhadores, que também incluíam palestinos e um cidadão com dupla nacionalidade dos Estados Unidos e do Canadá, viajavam em dois carros blindados com o logotipo da WCK e outro veículo, disse a WCK em comunicado.

Israel há muito nega impedir a distribuição de ajuda alimentar urgentemente necessária em Gaza, dizendo que o problema é causado pela incapacidade dos grupos de ajuda internacionais de a levarem aos necessitados.

Apesar da coordenação dos movimentos com as FDI, o comboio foi atingido quando saía do seu armazém em Deir al-Balah, depois de descarregar mais de 100 toneladas de ajuda alimentar humanitária trazida para Gaza por mar, disse a WCK.

“Este não é apenas um ataque contra a WCK, é um ataque a organizações humanitárias que aparecem nas situações mais terríveis em que os alimentos são usados ​​como arma de guerra”, disse Erin Gore, executiva-chefe da World Central Kitchen.

“Isso é imperdoável.”

Os militares israelenses disseram mais cedo que estavam fazendo uma revisão completa ao mais alto nível para compreender as circunstâncias do que chamaram de incidente trágico e prometeram uma investigação por “um órgão independente, profissional e especializado”.

“As FDI fazem grandes esforços para permitir a entrega segura de ajuda humanitária e têm trabalhado em estreita colaboração com a WCK nos seus esforços vitais para fornecer alimentos e ajuda humanitária ao povo de Gaza”, disseram os militares.

Israel tem estado sob crescente pressão internacional para aliviar a fome severa em Gaza, que foi devastada por meses de combates que devastaram grande parte do território e forçaram a maior parte da população a abandonar as suas casas.

As Nações Unidas e outros grupos internacionais acusaram Israel de dificultar a distribuição de ajuda com obstáculos burocráticos e de não garantir a segurança dos comboios, destacado pelo episódio de 29 de fevereiro, no qual cerca de 100 pessoas morreram enquanto esperavam por uma entrega de ajuda.

Andrés, que iniciou a WCK em 2010 enviando cozinheiros e alimentos para o Haiti após um terremoto, disse anteriormente que estava com o coração partido e de luto pelas famílias e amigos daqueles que morreram.

“O governo israelense precisa parar com esta matança indiscriminada”, disse ele nas redes sociais.

“É preciso parar de restringir a ajuda humanitária, parar de matar civis e trabalhadores humanitários e parar de usar os alimentos como arma. Não há mais vidas inocentes perdidas. A paz começa com a nossa humanidade partilhada. Precisa começar agora.”



Fale conosco