• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, sábado 15 de junho de 2024

Turistas espanhóis estão entre mortos de ataque no Afeganistão, diz premiê da Espanha

Homens abriram fogo e deixaram quatro mortos


cnn

Publicada em: 18/05/2024 11:15:27 - Atualizado

MUNDO: Quatro pessoas foram mortas, incluindo três cidadãos espanhóis, em um ataque a tiros no centro do Afeganistão na sexta-feira (17), de acordo com as autoridades espanholas e afegãs.

O porta-voz do Ministério do Interior do Afeganistão, Mufti Abdul Mateen Qani, disse que os três europeus e um cidadão afegão foram mortos na cidade de Bamyan.

Quatro cidadãos estrangeiros e três afegãos também ficaram feridos no ataque quando homens armados abriram fogo, informou a Reuters, citando Qani, acrescentando que quatro pessoas foram presas.

Um cidadão da Espanha também está entre os feridos, disse uma fonte diplomática espanhola à CNN.

A fonte diplomática espanhola disse na sexta-feira (17) que o Ministério das Relações Exteriores da Espanha está trabalhando com sua Unidade Consular de Emergência para esclarecer as circunstâncias, atender aos afetados e entrar em contato com suas famílias.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, descreveu as vítimas do ataque como turistas, em um post no X.

“Impressionado pela notícia do assassinato de turistas espanhóis no Afeganistão. Estou acompanhando de perto a situação. A Unidade Consular de Emergência do Ministério das Relações Exteriores espanhol está trabalhando para oferecer toda a assistência necessária. Quero transmitir toda a minha simpatia a familiares e amigos”, afirmou o primeiro-ministro.

Qani também expressou condolências pelas mortes, dizendo: “O Emirado Islâmico do Afeganistão condena fortemente este crime, expressa seus sentimentos profundos às famílias das vítimas e garante que todos os criminosos serão encontrados e punidos.”

Solicitado a comentar sobre relatos de que um cidadão australiano está entre os feridos, o Departamento de Relações Exteriores e Comércio da Austrália disse neste sábado (18) que estava “fornecendo assistência consular” a um de seus cidadãos no Afeganistão após o ataque mortal.



Fale conosco