• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, terça-feira 23 de julho de 2024

Ministra Carmen Lúcia vota para rejeitar ação sobre fim do prazo de inelegibilidade

Ministros analisam uma ação movida pelo Solidariedade; ministro Edson Fachin também negou o pedido do partido


R7

Publicada em: 20/11/2023 14:14:11 - Atualizado


BRASIL - A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou para que a Corte rejeite pedido para que candidatos que cumpram o prazo de inelegibilidade até a data da diplomação possam participar de uma eleição. A magistrada entende que as condições de elegibilidade devem ser analisadas no momento em que é registrada a candidatura, sendo que casos de inelegibilidade só podem ser afastados quando o prazo for cumprido antes da data do pleito.

    O tema é discutido em sessão do plenário virtual que teve início na sexta-feira (17). Os ministros analisam uma ação movida pelo Solidariedade. Até o momento, só se manifestou sobre o caso, além da relatora, o ministro Edson Fachin, também no sentido de negar o pedido do partido.

    A ministra considerou a manifestação do Senado ao dar seu voto sobre o tema. O parlamento argumentou que condições e causas de inelegibilidade foram discutidas pelo Congresso, sendo que, em 2019, foi vetado trecho da minirreforma eleitoral que fazia a mesma proposta que a petição do Solidariedade ao STF. "A fixação da data da posse como marco temporal para a aferição das condições de elegibilidade e das causas de inelegibilidade foi, portanto, afastada pelo veto presidencial, mantido pelo Congresso Nacional", lembrou.

    Segundo a ministra, a ação em pauta discute o limite — se a data do dia da eleição ou até a da diplomação — para que se considere eventual afastamento da inelegibilidade de candidato.



    Fale conosco