• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, sexta-feira 19 de julho de 2024

Alto consumo de Xilitol pode dobrar risco de doença cardíaca, diz estudo

O adoçante possui poucas calorias e é comumente utilizado na produção de chicletes, pastas de dentes e em receitas doces


CNN

Publicada em: 07/06/2024 10:27:25 - Atualizado

BRASIL: Um adoçante de baixa caloria chamado xilitol, utilizado em muitos alimentos com açúcar reduzido e produtos de consumo, como chicletes e pastas de dente, pode estar ligado a quase o dobro do risco de ataques cardíacos, derrames e mortes em pessoas que consomem os níveis mais altos do adoçante, segundo um novo estudo.

“Nós demos a voluntários saudáveis uma bebida típica com xilitol para ver o quão altos os níveis poderiam subir, e eles aumentaram mil vezes”, afirma o autor sênior do estudo, Stanley Hazen, diretor do Centro de Diagnósticos e Prevenção Cardiovascular do Instituto de Pesquisa Lerner da Cleveland Clinic.

“Quando você come açúcar, seu nível de glicose pode subir 10% ou 20%, mas não aumenta mil vezes”, diz Hazen, que também dirige o Centro de Microbioma e Saúde Humana da Cleveland Clinic.

“A humanidade não experimentou níveis de xilitol tão altos exceto nas últimas décadas, quando começamos a ingerir alimentos processados com substitutos de açúcar totalmente artificiais”, acrescenta.

Coágulos sanguíneos preocupantes ocorrem

Em 2023, os mesmos pesquisadores encontraram resultados semelhantes para outro adoçante de baixa caloria chamado eritritol, usado como açúcar de volume em produtos de estévia, fruta-dos-monges e produtos de açúcar reduzido para dietas cetogênicas.

Pesquisas adicionais em laboratório e em animais apresentadas em ambos os artigos revelaram que o eritritol e o xilitol podem fazer com que as plaquetas sanguíneas formem coágulos mais facilmente. Os coágulos podem se desprender e viajar para o coração, desencadeando um ataque cardíaco, ou para o cérebro, desencadeando um derrame.

No novo estudo sobre xilitol, “diferenças no comportamento das plaquetas foram observadas mesmo após uma pessoa consumir uma quantidade modesta de xilitol em uma bebida típica de uma porção consumida na vida real”, explica Matthew Tomey, cardiologista do Mount Sinai Fuster Heart Hospital em Nova York, que não esteve envolvido no estudo.

“Esses experimentos são interessantes, mas sozinhos não provam que as anormalidades das plaquetas são responsáveis pela ligação entre o xilitol e eventos clínicos”, diz Tomey, que também é professor assistente de medicina na Escola de Medicina Icahn no Monte Sinai.

Cerca de 61% dos adultos americanos terão doenças cardiovasculares até 2050, de acordo com uma previsão recente da American Heart Association. Reduzir a atividade de coagulação é um tratamento-chave usado por cardiologistas, portanto qualquer aumento adicional na coagulação das plaquetas é um mau sinal, segundo Andrew Freeman, diretor de prevenção cardiovascular e bem-estar da National Jewish Health em Denver.

“Quando alguém tem um ataque cardíaco, damos aspirina ou medicamentos como clopidogrel, ou Plavix, para combater a atividade das plaquetas. Esses álcoois de açúcar parecem aumentar a atividade das plaquetas, o que é preocupante”, afirma Freeman, que não esteve associado à nova pesquisa.

“Este é outro alerta de que devemos mudar para água, com um segundo lugar sendo chá ou café sem açúcar”, disse ele.

A CNN entrou em contato com o Conselho de Controle de Calorias, uma associação da indústria, mas não obteve resposta antes da publicação.

Em resposta ao estudo de 2023 sobre o eritritol, a associação disse que os dados “são contrários a décadas de pesquisa científica mostrando que adoçantes de baixa caloria como o eritritol são seguros, como evidenciado pelas permissões regulatórias globais para seu uso em alimentos e bebidas”.

O que é o xilitol?

Tão doce quanto o açúcar com menos da metade das calorias, o xilitol é frequentemente usado em chicletes sem açúcar, balas de menta, pastas de dente, enxaguantes bucais, xaropes para tosse e vitaminas mastigáveis. Ele é frequentemente adicionado em quantidades maiores a doces, produtos assados, misturas para bolos, molhos de churrasco, ketchup, manteiga de amendoim, pudins, xarope para panquecas e mais.

O xilitol é um álcool de açúcar, um carboidrato encontrado naturalmente em alimentos como couve-flor, berinjela, alface, cogumelos, espinafre, ameixas, framboesas e morangos. No entanto, a quantidade de xilitol encontrada nessas fontes naturais é mínima, segundo Hazen.

“Se você realmente fizer o cálculo, literalmente levaria toneladas de frutas para equivaler a um biscoito para diabéticos que pode ter cerca de nove gramas de xilitol, que é uma quantidade típica indicada no rótulo”, diz. “Seria como comer sal no nível de um bloco de sal.”

Para uso comercial, no entanto, o xilitol é feito de sabugos de milho, árvores de bétula ou bactérias geneticamente modificadas.

“É vendido como um adoçante chamado natural, e como o xilitol não aumenta os níveis de açúcar no sangue, também é comercializado como amigo da dieta low carb e cetogênica”, explica Hazen.

Muitas associações profissionais também recomendam o xilitol como substituto do açúcar para pacientes com obesidade, diabetes ou pré-diabetes para melhorar o controle glicêmico, acrescentou.

“No entanto, as pessoas em risco de diabetes estão entre as mais vulneráveis para eventos de coagulação”, explica o especialista. “Estamos mirando as pessoas erradas.”

A exposição aumentou nas últimas duas décadas, diz Hazen, porque a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA reconhece os álcoois de açúcar como GRAS, ou “geralmente reconhecidos como seguros”.

“O xilitol é mais barato de fazer do que o açúcar de cana e, portanto, cada vez mais continua sendo incorporado como substituto do açúcar em alimentos. Algumas bebidas de 350ml que usam xilitol como adoçante artificial principal podem conter 30 gramas ou mais”, afirma. “Você pode até comprá-lo a granel no supermercado, onde é indicado para usar como substituto do açúcar em uma proporção de um para um na culinária doméstica.”

Pesquisas mostraram que alguns adoçantes artificiais podem criar uma reação no sistema metabólico, fazendo com que o corpo espere mais calorias, tornando a perda de peso mais difícil.

Apenas dois dos muitos álcoois de açúcar

O estudo, publicado na quinta-feira no European Heart Journal, começou como uma forma de encontrar substâncias químicas ou compostos desconhecidos no sangue de uma pessoa que pudessem prever o risco de um ataque cardíaco, derrame ou morte nos próximos três anos.

Para isso, Hazen e sua equipe analisaram 1.157 amostras de sangue de pessoas que estavam passando por avaliações para doenças cardíacas, coletadas entre 2004 e 2011. Eles também examinaram outro lote de amostras de sangue de mais de 2.100 pessoas que também poderiam ter alto risco de doenças cardíacas.

Eles encontraram uma série de álcoois de açúcar que pareciam ter impacto na função cardiovascular, incluindo xilitol e eritritol. O eritritol é o ingrediente predominante em peso em muitos produtos de estévia e fruta-dos-monges.

O estudo de fevereiro de 2023 sobre o eritritol encontrou que o risco de ataque cardíaco e derrame quase dobrou em três anos quando as pessoas tinham os níveis mais altos de eritritol no sangue.

Para o novo estudo sobre xilitol, os resultados foram basicamente os mesmos — pessoas com os níveis mais altos de xilitol em comparação com aquelas com os níveis mais baixos tiveram quase o dobro do risco de ataque cardíaco, derrame e morte, diz Hazen.

“Há um receptor em nossas plaquetas, que ainda não entendemos, que está reconhecendo essa molécula e sinalizando para a plaqueta ser mais propensa a coagular”, afirma. “Nossas papilas gustativas não conseguem diferenciar as estruturas entre açúcar e esses outros adoçantes, mas claramente nossas plaquetas conseguem.”

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou os consumidores em 2023 para evitar adoçantes artificiais para perda de peso e pediu mais pesquisas sobre a toxicidade a longo prazo de adoçantes de baixa e zero caloria, disse o estudo.

“Através de seu trabalho, os investigadores iluminaram a segurança dos substitutos do açúcar. Há mais a aprender”, diz Tomey do Monte Sinai. “Enquanto isso, vale lembrar que os substitutos do açúcar não substituem um compromisso sincero com os vários elementos de uma dieta e estilo de vida saudáveis.”




Fale conosco