• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, terça-feira 25 de janeiro de 2022

Quase 60% das crianças mortas por Covid-19 apresentavam alguma comorbidade

Crianças saudáveis também são vítimas do vírus, que matou na infância mais do que qualquer outra doença prevenível com vacina


R7

Publicada em: 09/01/2022 10:37:12 - Atualizado

BRASIL: Crianças com algum fator de risco são as que mais morrem por Covid-19 no Brasil. Considerando o público de 0 a 17 anos, foram 1.272 óbitos durante a pandemia, o que representa 58,4% das 2.178 perdas neste público. Mesmo sem nenhuma enfermidade crônica ou comprometimento imunológico, 906 crianças e adolescentes também entraram para a estatística. As manifestações de autoridades públicas minimizando o impacto da Covid na faixa etária têm provocado a indignação das sociedades médicas, que alertam que a doença mata mais do que qualquer outra prevenível com vacina.

Quando se fala em comorbidade entre as crianças, no caso específico da faixa etária de 5 a 11 anos, que começará a ser vacinada no Brasil, 69% das 308 mortes durante a pandemia foram em crianças com comorbidade. Ainda que sejam elevados os números de meninos e meninas com agravamento e óbito pela doença em razão de fatores de risco, há o debate entre representantes das sociedades médicas sobre seguir ou não a instrução do Ministério da Saúde de vacinar esse público mais vulnerável primeiro.

Ainda que a vulnerabilidade seja reconhecida pelos especialistas, de maneira geral, a questão logística faz com que haja divergência sobre a forma como o governo irá proceder, ao vacinar primeiro a população pediátrica com algum fator de risco e, depois, iniciar a imunização por idade. O pediatra Marco Aurélio Palazzi Sáfadi, da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), por exemplo, defende que a forma apropriada é vacinar primeiro aquelas com comorbidade, assim como ocorreu com a vacinação de adultos.

"Faz todo o sentido [vacinar primeiro crianças de comorbidade]. Numa situação de disponibilidade limitada de doses, que é o que vai acontecer, a gente tem que fazer com as crianças a mesma coisa que a gente fez com os adultos. Primeiro as crianças dos grupos de risco e depois a vacinação por faixa etária", afirmou. O pediatra ressaltou que os dados mostram que ter alguma comorbidade agrega risco no sentido de hospitalização e morte. De acordo com ele, os fatores de risco nas crianças não são exatamente os mesmos dos adultos mas, no geral, se repetem.

Na avaliação do pediatra e infectologista Renato Kfouri, consultor do Comitê Extraordinário de Monitoramento Covid-19 da AMB (Associação Médica Brasileira), no entanto, a falta de levantamentos sobre quem são e onde estão essas crianças com comorbidade pode atrasar ainda mais as aplicações da vacina, motivo pelo qual acredita que realizar a campanha por faixa etária possa ser mais eficiente.

"Dessa maneira nós também vamos incorporando aqueles que têm comorbidade e, em um curto espaço de tempo, todos estarão vacinados, com ou sem essas doenças crônicas. Logisticamente falando, fica muito difícil implantar [a vacinação por comorbidade] porque nós nem conhecemos quais são esses denominadores, quantas crianças de cinco a onze anos em cada município têm cada doença crônica. Infelizmente, esses dados não existem no país", pondera Kfouri.

O presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), Juarez Cunha, concorda, lembrando que o país já trabalhou com a priorização de pessoas com comorbidade e que houve atraso em razão disso, mas que, na época, a escassez e dúvida em relação às entregas era um ponto que não possibilitou outra estratégia. "É mais prático fazer por faixa etária, ainda que a comorbidade seja um fator importante. No universo de 20 milhões de crianças, a minha opinião pessoal é que isso seria mais uma barreira, em tempos em que já há disponibilidade da vacina."

A previsão do Ministério da Saúde é de entrega de 3,74 milhões de doses ainda em janeiro e 20 milhões, no total, até março. A pasta prevê a necessidade de dobrar a demanda, já que a Pfizer — vacina aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para uso pediátrico — demanda duas doses. Já há, no entanto, previsão em contrato para requisitar mais doses, bastando o governo sinalizar a compra.



LEIA MAIS