• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, quarta-feira 6 de julho de 2022

RO registra maior aumento nos assassinatos do país nos primeiros 3 meses

Monitor da Violência, projeto do g1, aponta que estado teve 126 mortes violentas de janeiro a março deste ano.


G1

Publicada em: 19/05/2022 16:12:20 - Atualizado


RONDÔNIA - Rondônia foi o estado que mais teve alta no número de assassinatos entre janeiro e março de 2022, de acordo com dados do Monitor da Violência, projeto do site g1 que compila mês a mês os dados de crimes no país.

Foram 85 assassinatos no primeiro trimestre de 2021, contra 126 neste ano. Isso corresponde a um aumento de 48% em Rondônia.

Do total de mortes registradas neste ano, 117 foram vítimas de homicídio doloso, 7 de feminicídios e 2 mortes decorrentes de roubo seguido de morte.

Desses 126 assassinatos em Rondônia de janeiro e março, 40,7% foram registrados na capital Porto Velho.

Ainda segundo dados obtidos pela Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec), 83,3% das pessoas assassinadas em Rondônia são do sexo masculino.

Janeiro foi o mês mais violento do ano até agora, com 54 assassinatos. Já fevereiro teve 29 execuções e as outras 43 mortes aconteceram em março.

Chacina

Os únicos quatro homicídios registrados em São Miguel do Guaporé no primeiro trimestre foram de vítimas assassinadas em uma única hora, na chacina da rua Seringueiras.

No dia 6 de janeiro, três homens e uma mulher foram mortos a pauladas e facadas após terem a casa invadida.

Motivo do aumento da violência

Ao g1, a Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec) afirmou que principalmente Porto Velho "tem sofrido com ações de organizações criminosas as quais, buscam domínio frente a outros grupos criminosos e essa disputa tem reflexos diretos no atual aumento dos números de homicídios".

A pasta informou que "tem despendido esforços no intuito unir as Forças de Segurança Pública estaduais por intermédio de apoio logístico e de informação, para o enfrentamento desta questão". Também disse que está sendo formada uma força-tarefa para combater o crime organizado.


Monitor da Violência

O levantamento, que compila os dados mês a mês, faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do g1 com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

A ferramenta criada pelo g1 permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. Estão contabilizadas as vítimas de homicídios dolosos (incluindo os feminicídios), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Juntos, estes casos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

Jornalistas do g1 espalhados pelo país solicitam os dados, via assessoria de imprensa e via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados coletados mês a mês pelo g1 não incluem as mortes em decorrência de intervenção policial. Isso porque há uma dificuldade maior em obter esses dados em tempo real e de forma sistemática com os governos estaduais.