• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, domingo 23 de junho de 2024

Gracyanne Barbosa sobre a saída da União da Ilha: ‘Foi um soco no estômago’

Musa fitness, soberana da agremiação havia três anos, foi surpreendida na quarta (3) por um comunicado da Tricolor Insulana nas redes sociais...


G1

Publicada em: 05/11/2021 12:12:52 - Atualizado

BRASIL: Prejuízo financeiro e emocional. É assim que Gracyanne Barbosa avalia sua saída da União da Ilha, escola da qual era rainha de bateria havia três anos. Ela ficou sabendo que havia perdido o posto por um comunicado da agremiação em suas redes sociais na quarta-feira (3).

Por lá, se pôs a justificar para fãs e seguidores que não havia abandonado a escola, que havia sido pega de surpresa e que estava tão chocada e chateada quanto eles.

“Tudo bem que os ventos mudem de direção, mas quando ele vem na sua cara e te joga para longe é pesado. E em nenhum momento sinalizaram que não me queriam. Foi o inverso".

"Estava tudo certo. Já estava atendendo aos pedidos de compromissos para o carnaval de 2022, fui à escolha de samba, foi tudo maravilhoso”, disse ao g1.

Camisas da bateria já estavam negociadas

Um dia depois da notícia, Gracyanne ainda contabilizava as perdas. Ela conta que já havia negociado e entregado as camisas da bateria, que já estava com o croqui da fantasia em mãos e que se sentiu usada e descartada.

“Fiz as camisas para 2022 de acordo com o molde que o mestre de bateria pediu. Corri atrás de parceiros. Agora fica o prejuízo da palavra de uma parceria, que realizamos pautados na palavra que foi dada que seria utilizada por longo tempo. Espero que meus amigos da bateria usem no seu dia a dia e que guardem como recordação do nosso elo de amor, carinho, respeito e gratidão. Vou guardar a minha com muito carinho e será uma forma de sempre lembrar dos meus ritmistas e mestres”, conta.

A história foi revelada pelo blogueiro de carnaval Dam Menezes.

No quesito prejuízo emocional, Gracyanne se disse ferida pelo modo como foi destituída, sem ao menos um telefonema.

“Para mim, foi um soco no estômago. Como rainha, você se sente poderosa com sua comunidade e bateria. Mas, diante dos dirigentes, acabamos nos sentindo extremamente estranhos. É um misto de falta de afeto, tato, carinho, respeito e valor. Se fosse pelo menos fosse um telefonema, pensaria que era um trote inspirado no Round 6. Algo do tipo: ‘Hoje você é a eliminada”. Mas e se eu contar que nem telefonema teve? ”, ironiza.

Planos para o carnaval 2022

Gracyanne, que desfila no carnaval do Rio de Janeiro e de São Paulo desde 2007, ainda não sabe se ficará de fora da folia de 2022. Mas diz que está pensando em organizar um bloco de carnaval para 2023 para protestar contra o machismo.

“Ainda não sei como será em 2022. Mas acho que vou desde já reunir um time de amigas do carnaval e pensar em criar um enredo sobre o machismo para o Carnaval 2023. Um enredo pautado em fatos reais. Para quem sabe, escancarando, podermos desfilar nossos corações e nossa alma com mais segurança”, diz.


Fale conosco