• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, quarta-feira 19 de junho de 2024

Cerca de um terço das pistas de pouso na Amazônia é ilegal parte das áreas fica próxima de regiões de garimpo

Estudo do MapBiomas aponta que grande parte fica entre os garimpos


sbt news

Publicada em: 07/02/2023 08:47:50 - Atualizado

BRASIL- Um estudo inédito realizado pelo MapBiomas identificou a presença de 2.869 pistas de pouso dentro da Amazônia. O número é maior que o dobro de pistas registradas na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), enquanto 804 delas (ou 28%) estão dentro de alguma área protegida, representando atividades ilegais.

Segundo os dados, também foram detectadas pistas de pouso em Terras Indígenas e no interior de Unidades de Conservação, sendo que grande parte fica até 5 km de distância de grupos de garimpo. Os territórios Yanomami (75), Raposa Serra do Sol (58), Kayapó (26), Munduruku (21) e o Parque do Xingu (21) lideram o ranking de pistas.

"Há um problema logístico intrínseco ao garimpo, em especial dentro de Terras Indígenas e Unidades de Conservação, onde não há grandes rotas de acesso terrestre ou fluvial. Isso exige o acesso aéreo para abastecimento do garimpo e escoamento da produção ilegal. Seja por helicópteros ou aviões de pequeno porte, grande parte da produção garimpeira amazônica é feita por via aérea", explica Cesar Diniz, integrante do MapBiomas.

Nos últimos 10 anos, a expansão da área de garimpo em Terras Indígenas foi de 625%, saltando de pouco mais de 3 mil hectares em 2011, para mais de 19 mil hectares em 2021. O mesmo aconteceu nas Unidades de Conservação, que registraram uma expansão de 352%, saltando de 20 mil hectares para 60 mil hectares.

No geral, ao menos 12% (23 mil hectares) da área de garimpo do Brasil é ilegal, uma vez que encontra-se em áreas protegidas, onde as atividades são proibidas. Para se ter ideia, a extensão registrada equivale à área de uma capital como Recife, em Pernambuco.


Fale conosco