• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, sábado 15 de junho de 2024

CNA e outras confederações pedem rejeição total da “MP do fim do mundo” de Lula

Além das confederações que representam a agricultura, indústria e comércio, cooperativas e o transporte disseram que MP ameaça empresas


metropoles

Publicada em: 10/06/2024 17:54:41 - Atualizado


As confederações nacionais da Agricultura e Pecuária (CNA), da Indústria (CNI), do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), das Cooperativas (CNCOOP) e do Transporte (CNT) se manifestaram contra a medida provisória (MP) 1.227/2024, editada pelo governo para mudar regras de dedução do PIS/Cofins, apelidada jocosamente por empresários de “MP do fim do mundo”.

Anunciada na semana passada, a MP foi a forma encontrada pelo governo Lula (PT) para compensar a desoneração da folha de pagamento de 17 setores da economia e de municípios com até 156 mil habitantes, mas vem sofrendo grandes críticas dos setores envolvidos.

Em nota, as confederações disseram ter consultado federações, sindicatos, empresas, entidades e cooperados e chegaram à conclusão de pedir a devolução ou rejeição da MP pelo Congresso Nacional.

“O objetivo da medida é arrecadar mais tributos dos contribuintes brasileiros. Não há, por parte do governo, uma preocupação mínima em adotar medidas que reduzam as despesas”, criticaram.

Segundo elas, a consequência da medida será a diminuição da competitividade dos produtos brasileiros, além de ameaçar a saúde financeira das empresas, os empregos e os investimentos, aumentar a insegurança jurídica e causar reflexos prejudiciais na inflação do país.

“Os setores da economia nacional aqui representados foram duramente atingidos por mais uma medida que revela a falta de diálogo por parte do governo com aqueles que produzem e geram emprego no país”, completaram.

Número 2 de Haddad no ministério, o secretário-executivo Dario Durigan acompanhou o ministro na reunião com Lula. No sábado (8/6), o secretário ouviu pessoalmente duras críticas à MP durante um fórum empresarial no Guarujá (SP).



Fale conosco