RONDONOTICIAS terça-feira, 11 de maio de 2021 - Criado em 11/10/2001

Brasil é o 5º país que mais vacina contra covid-19 no mundo

Na proporção, País é o 57º colocado. Mais de 10% dos brasileiros receberam 1ª dose e 29,5 milhões de imunizantes foram aplicados...


r7

Publicada em: 10/04/2021 14:19:03 - Atualizado

BRASIL: Aproximando-se dos 30 milhões (29.598.436) de vacinas contra a covid-19 aplicadas até às 12h deste sábado (10), o Brasil é o quinto país que mais imuniza no mundo, atrás apenas de Estados Unidos, China, Índia e Reino Unido.

Na análise dos números proporcionais, o Brasil ocupa a 57ª posição, com 13,9 doses injetadas a cada 100 habitantes, vendo a sua frente nações pequenas como Mônaco, Islândia e República Dominicana, por exemplo.

Os números foram organizados com base no Mapa de Vacinação do Our World in Data, monitor coordenado por pesquisadores da Universidade de Oxford, do Reino Unido.

Com uma população estimada em 212 milhões de pessoas, o Brasil tem uma missão desafiadora se quiser reverter o quadro acentuado de contaminações e mortes em função da pandemia e imunizar, até julho, metade da sua população, conforme prometeu o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na passagem de bastão ao atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga, em 17 de março.

De acordo com o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), somente nesta sexta-feira (9) foram registrados 93.317 casos da doença e 3.693 mortes em 24 horas. Desde o início da pandemia, 13.373.174 pessoas acabaram contagiadas e 348.718 perderam a vida. O número de recuperados é de 11.791.885.

Até o momento, 22.709.257 pessoas receberam a primeira dose de imunizante no Brasil, o que equivale a 10,72% da população. E 6.889.179 tomaram a segunda, portanto, 3,25% do total de habitantes do País.

A vacinação no Brasil começou em 17 de janeiro, logo após a Anvisa autorizar de forma emergencial a aplicação da CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac, e a CoviShield, da Oxford/AstraZeneca/Fiocruz.

A pouca quantidade de doses, decisões políticas equivocadas e a corrida mundial por imunizantes em meio a pior pandemia dos últimos cem anos explicam a lentidão no ritmo de vacinação, afirmam especialistas.

Nesta sexta-feira, Queiroga afirmou que, em pouco mais de quatro meses, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) não precisará mais depender da importação de IFA (ingrediente farmacêutico ativo) para produzir imunizantes.

"Hoje eu vi aqui a produção do IFA nacional. Em breve, acredito que no mês de agosto, já tenhamos IFA [ingrediente farmacêutico ativo] produzido na Fiocruz. Isso representa uma conquista excepcional, a autonomia do Brasil na produção de IFA, dispensa a necessidade de importação desse insumo para que a Fiocruz possa produzir vacinas", afirmou o ministro.


MATÉRIAS - DENÚNCIAS - VÍDEOS - FOTOS

Fale com a redação do Rondonotícias redacao@rondonoticias.com.br