• Fundado em 11/10/2001

    porto velho, quarta-feira 28 de fevereiro de 2024

Saiba quem é a 'Doce Princesa', irmã de Kim Jong-un que seria ameaça ao ditador da Coreia do Norte

Kim Yo-jong foi durante algum tempo figura importante no governo, mas agora há rumores de que estaria sem prestígio


R7

Publicada em: 27/11/2023 10:32:08 - Atualizado


MUNDO: Na quase sempre secreta Coreia do Norte patriarcal, uma figura feminina enigmática tem causado curiosidade nos serviços de inteligência dos Estados Unidos e da Coreia do Sul nos últimos anos: Kim Yo-jong, irmã do ditador Kim Jong-un.

Chamada pelo pai, o ex-ditador Kim Jong-il, de "minha doce princesa", segundo o livro "A Irmã: a extraordinária história de Kim Yo-jong, a mulher mais poderosa da Coreia do Norte" (em tradução livre), de Sung-Yoon Lee, Kim Yo-jong, hoje com 36 anos, conquistou um espaço importante no governo do irmão, contrastando com velhos militares que sempre cercaram a dinastia.

Agora, porém, há rumores de que a dedicada irmã poderia ter caído em desgraça no castelo de cartas norte-coreano.

Ela é a filha mais nova conhecida de Kim Jong-il e da mulher dele, Ko Yong-hui. Foi criada da mesma forma que os dois irmãos, tendo frequentado um internato em Berna, na Suíça, durante o ensino primário.

Formou-se em ciências da computação na Universidade Kim Il-sung, em 2007, ano em que foi nomeada como membro júnior do Partido dos Trabalhadores da Coreia.

Durante muitos anos, pouco se sabia sobre a existência dela — a Doce Princesa foi vista publicamente pela primeira vez no funeral do pai, em 2011.

Kim Yo-jong ganhou holofotes mundiais em 2018, ao se tornar o primeiro membro da dinastia a fazer uma visita oficial à Coreia do Sul, durante os Jogos Olímpicos de Inverno em PyeongChang. Ela se reuniu com o então presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e apareceu em fotos ao lado do ex-vice-presidente dos EUA, Mike Pence, e do ex-primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Posteriormente, participou de encontros, ao lado de seu irmão, com o presidente chinês, Xi Jinping, e com o então presidente dos EUA, Donald Trump.

Oficiais das inteligências americana e sul-coreana têm muita dificuldade em entender os papéis e o momento político de Kim Yo-jong no governo da Coreia do Norte.

Sabe-se, por exemplo, que ela foi removida do Politburo — principal órgão decisório do Partido dos Trabalhadores da Coreia — em 2019, com o fracasso das negociações com a gestão Trump, em um indicativo de perda de poder interno.

Acabou readmitida no mês seguinte e, em agosto de 2020, a imprensa americana relatou, citando agentes de inteligência sul-coreanos, que a Doce Princesa havia conquistado um controle significativo da política estatal.

Naquele mesmo ano, a revista americana Time publicou uma reportagem intitulada "Dinheiro, iates e conhaque: as ligações de Kim Yo-jong com o escritório secreto que mantém as elites da Coreia do Norte no luxo".

A irmã de Kim jong-un teria controle dos Escritórios 38 e 39, sediados no Partido dos Trabalhadores da Coreia.

O primeiro seria responsável por cuidar das finanças pessoais da família Kim, enquanto o segundo foi designado pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos como sendo "um ramo secreto do governo da República Popular Democrática da Coreia [Coreia do Norte] que fornece apoio crítico à liderança norte-coreana, em parte, por meio do envolvimento em atividades econômicas ilícitas, da gestão de fundos secretos e da geração de receitas para a liderança".

A Coreia do Norte é conhecida por abastecer o regime com dinheiro de crimes cibernéticos, por exemplo.

Os papéis da mulher mais importante do regime, porém, vão além da simples gestão de recursos. Como chefe do Departamento de Propaganda e Agitação do Partido dos Trabalhadores, ela passou a cuidar diretamente das mensagens ideológicas do governo na mídia, nas artes e na cultura em geral.

Segundo o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, essa "é a principal agência da Coreia do Norte responsável pela censura de jornais e transmissões, entre outras coisas".

O primeiro comentário público atribuído diretamente a Yo-jong teve um tom considerado beligerante. Em 2020, após o Sul condenar um exercício militar de fogo real de Pyongyang, o governo dos Kim emitiu um comunicado em que chama o vizinho de um "cachorro assustado latindo".

Muitos analistas interpretaram a mensagem como uma tentativa de demonstrar estabilidade e união da família em seu discurso.

Entretanto, o protagonismo de Kim Yo-jong pode ser a própria corda que a enforcará, caso represente uma ameaça ao poder do irmão.

O tabloide britânico Express publicou uma reportagem, em fevereiro deste ano, em que afirma que Yo-jong está supostamente sendo afastada dos holofotes em favor da geração mais jovem, no caso, a filha do ditador, Kim Ju-ae, possível sucessora do pai.

"Dado o histórico de Kim Jong-un de eliminar seus rivais políticos, especialistas expressaram preocupações sobre a segurança de sua irmã, especialmente porque ela caiu em desgraça", diz a publicação.

O aumento do protagonismo de Kim Ju-ae, "a mais amada", seria um demonstrativo de que não há mais espaço para a Doce Princesa no poder, segundo fontes ouvidas pelo jornal.

A codiretora do Instituto Internacional de Estudos Coreanos, na Universidade Central de Lancashire, no Reino Unido, Sojin Lim, também relembrou os assassinatos de parentes próximos de Kim Jong-un em um artigo no site The Conversation.

"Esta é uma família em que muitos dos possíveis concorrentes masculinos ao poder foram eliminados, incluindo Kim Jong-nam, meio-irmão de Kim Jong-un, que foi , na Malásia, em 2017; e seu tio, Jang Song-thaek, que foi supostamente executado por um pelotão de fuzilamento em 2013, após ser acusado de ser contrarrevolucionário. Portanto, o status do relacionamento de Kim Yo-jong com seu irmão é tão escrutinado quanto a saúde física de Kim Jong-un quando se trata de saber se — e quando — ela pode estar em posição de desafiar o poder supremo na Coreia do Norte."




Fale conosco